Jornais
FECHAR
  • Jornal NH
  • Diário de Canoas
  • Jornal de Gramado
  • Diário de Cachoeirinha
  • Correio de Gravataí
Grupo Sinos
Publicado em 06/01/2014 - 08h56
Última atualização em 06/01/2014 - 08h59

Esperança ao Parque do Trabalhador em São Leopoldo

Cenário de descaso pode ser mudado com parceira da Prefeitura, Sesi e Senai

José Nunes - jose.nunes@gruposinos.com.br


Foto: Roberto Vinicius/GES
São Leopoldo- Uma novela que se arrasta há mais de dez anos pode estar chegando aos últimos capítulos e com um final feliz para a população leopoldense. Abandonado pelo Estado, o Parque de Recreação do Trabalhador pode ser repassado ao Município através de um termo de cedência por um prazo de 20 anos em uma parceria que envolve ainda o Serviço Social da Indústria (Sesi) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai).

A proposta de interesse encaminhada no ano passado teve parecer favorável e agora tramita no setor de patrimônio da Secretaria da Administração e dos Recursos Humanos do Estado (SARH) para delimitações das áreas.

Inaugurado em março de 1975, o local, que contava com um restaurante para mais de 600 pessoas, canchas de bolão, área de churrasqueiras e quadras esportivas, e que sediou também a Universidade do Trabalhador, hoje é um cenário do descaso. Do restaurante, restam apenas as paredes de pedra e parte da estrutura do telhado, que ainda não foi furtada. Na área de lazer, restam ainda algumas goleiras e uma ou outra tabela para a prática do basquete.

Outro problema é o matagal com mais de meio metro de altura, uma preocupação para quem ainda usa o local nas caminhadas no final da tarde. Sediados dentro da área, Instituto Estadual Parque do Trabalhador (Escola Estadual de Ensino Médio), Centro Medianeira, Horta Comunitária, ginásio poliesportivo e área de acampamento tradicionalista são os poucos locais que possibilitam uso.

Na próxima semana, a direção do Sistema Nacional de Emprego (Sine) de São Leopoldo, responsável pela administração patrimonial do parque deve se reunir com o presidente da Fundação Gaúcha do Trabalho e Ação Social (FGTAS), José Heitor Gularte, para tratar da administração do local, uma vez que ficou definida a saída do administrador Franz Heinrich Horak.

Publicidade