Compartilhar...

VOLTAR
FECHAR

Av. João Corrêa, 1017 - Centro - São Leopoldo/RS - CEP: 93010-363
Fones: (51) 3591.2000 - Fax: (51) 3591.2032

PUBLICIDADE
Região

Comércio aposta no Dia das Crianças para lojas cheias

Comércio da região espera vender entre 3 e 10% a mais neste 12 de outubro do que em relação ao ano passado
Diego da Rosa/GES
Lojistas esperam crescimento de até 15% nas vendas de artigos de uso pessoal, no qual se incluem os brinquedos
Região - O final de semana que antecede o Dia das Crianças, comemorado na próxima quarta-feira, dia 12 de outubro, é aguardado com expectativa pelos lojistas. A data, pode se dizer, marca o início da operação de retomada e deverá trazer um alento para alguns segmentos do comércio gaúcho que espera incrementar as vendas do mês, superando em até 7% o volume comercializado em setembro. A expectativa é apontada no levantamento realizado pela Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul (FCDL-RS). O crescimento esperado é de até 15% nas vendas de artigos de uso pessoal, no qual se incluem os brinquedos; de 14% em vestuário e calçados; de 11% em móveis; de 10% em eletrodomésticos; de 7% em publicações e papelaria; e de 6% para produtos de informática e de telefonia. “Tradicionalmente o mês de outubro representa uma elevação expressiva nas vendas do comércio varejista. Embora ainda estejamos vivendo uma crise econômica que impacta de maneira muito forte o orçamento das famílias brasileiras, já observamos sinais de reação em alguns segmentos e a expectativa é que o Dia das Crianças já concretize este alento para o varejo gaúcho” afirma o presidente da FCDL-RS, Vitor Augusto Koch.
Aqui pela região, a expectativa de recuperação é mais tímida. O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de São Leopoldo, Olinto Menegon, afirma que embora o Dia das Crianças não represente a melhor data de venda, sempre tem registrado um incremento nas vendas nos últimos anos. “Neste ano temos expectativa que as vendas sejam 3% maiores do que em relação ao ano passado”, diz Menegon. Ela acredita que neste ano, os pais e familiares vão homenagear os pequenos com presentes de valor menor. “O cenário econômico ainda não é favorável e, logo depois, já vem o Natal.” O dirigente lembra que tradicionalmente o segundo semestre é melhor para o comércio e que a grande aposta mesmo sempre são as vendas de final de ano. E algumas lojas do Centro já se anteciparam e estão com itens natalinos nas vitrines e no interior dos estabelecimentos. “As datas comemorativas de final de ano por si só já impulsionam as vendas, assim como a antecipação do 13.º salário para algumas pessoas, como os aposentados.” O presidente da CDL antecipa que no final do mês ou no início de novembro a entidade irá lançar a campanha de Natal. “Vamos lançar com certa antecedência porque as vendas de final de ano são o foco.”
Presente garantido
Para a pequena Eloísa, 4 anos, o presente já foi antecipado. Ela foi a uma loja de brinquedos ontem com a mãe, a dona de casa Adriana Prestes, 36 anos, e a tia e dinda Sidiana Garcia Prestes, 29 anos, fiscal de caixa. A garota se encantou com uma coleção de três bonequinhas, que decidiu levar ao invés de uma só que vinha pedindo para a mãe faz algum tempo. “Desistiu e agora quer estas”, explicou a mãe que resolveu antecipar a compra para evitar a correria de última hora. A gerente da loja, Maria Janete Müller Michels, acredita que a partir de hoje o movimento vai aumentar e desde ontem ampliou o horário de atendimento em uma hora: das 9 às 20 horas. Hoje a loja fica aberta também neste horário. “Estamos com muitas promoções”, informa a gerente, destacando uma delas: nas compras acima de R$ 150,00, uma garrafinha personalizada da loja, que custa R$ 29,99, sai por R$ 9,99.
Pela região
Sapucaia do Sul
O volume de vendas do varejo para o Dia das Crianças deve registrar uma alta de 5% a 6% em relação ao mesmo período do ano passado, segundo estimativa da CDL de Sapucaia do Sul. A previsão, conforme o diretor de Marketing da entidade, Diego Perin, é um aumento pela procura de produtos no setor de vestuário e calçados. “Apesar de um momento econômico de retração, os pais raramente deixam de presentear as crianças nesse dia e, novamente, como em outras datas comemorativas, o ticket médio ficará em torno de 100 reais”, explica. Segundo a CDL sapucaiense, o incremento mais significativo deve ocorrer durante o dia de hoje. Segundo a entidade, o final de semana que antecede o Dia das Crianças chega a ter 50% mais de movimento, se comparado a um final de semana normal. Apesar disso, Perin, ressalta que a data não é referência para contratações temporárias, exceto no setor de brinquedos, que representa a escolha de grande parte dos pequenos.
Esteio
Segundo o presidente da CDL de Esteio, Celso Antônio Dalmás, se percebe uma maior movimentação no comércio local há cerca de uns 15 dias, o que certamente irá se refletir nas compras para o Dia das Crianças. Os lojistas, especialmente aqueles que possuem um setor destinado a brinquedos, estão com boas expectativas, algo que gira em torno de 10% acima a igual período do ano anterior. Até o momento, o ticket médio já observado pelo comércio fica entre R$ 100,00 e R$ 120,00, sendo que para os brinquedos de maior valor as condições de pagamento são diferenciadas para que possam ser adquiridos. Outro aspecto que está colaborando para que os lojistas estejam otimistas, segundo o dirigente, é o fim da greve dos bancários.
Data deve movimentar
R$ 260 milhões
O comércio do Rio Grande do Sul deverá movimentar um total de R$ 260 milhões com a compra de presentes para o Dia das Crianças. O valor é 4% acima do registrado no mesmo período de 2015. “A data carrega muito simbolismo, e, além disso, a confiança das pessoas está aumentando, fazendo com que as vendas aconteçam”, afirma o presidente da Associação Gaúcha para Desenvolvimento do Varejo (AGV), Vilson Noer. Para Noer, a data é importante, pois poderá conseguir de alguma forma recuperar as vendas e, além de ser uma grande oportunidade para os lojistas fidelizarem seus clientes, é uma forma de diminuir os efeitos da desaceleração da economia.
O CENÁRIO GAÚCHO
95% dos gaúchos pretendem presentear alguma criança
52% dos entrevistados manterão o mesmo valor e quantidade de presentes e 34,2% reduzirão.
Os gaúchos pretendem gastar entre R$ 51,00 a R$100,00.
Entre os fatores determinantes na hora da compra estão o preço, com 60,5%, seguido do desejo ou decisão da criança, com 39,5%. Empatados em terceiro estão o atendimento e a qualidade do produto, com 15,8%.
Em 2016, o presente unirá o útil ao agradável, visto que 44,7% dos gaúchos presentearão as crianças com roupas ou calçados. Bonecas ficaram em segundo lugar com 23,7%, e livros, com 15,8%, em terceiro. Carro, moto, avião de brinquedo com controle remoto e jogos obtiveram 10,5%. Além disso, 39,5% comprarão presentes para três crianças, e entre os presenteados estarão filhos, sobrinhos, afilhados e netos.
Fonte: AGV
 
NAS CAPITAIS
Sondagem feita pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), em todas as capitais, mostra que aproximadamente 57,8% esperam gastar menos ou o mesmo valor com os presentes em relação a 2015. Mesmo entre os 28,0% que têm a intenção de gastar mais, a principal razão para isso é o aumento dos preços dos produtos: 31,2%.
28,2% irá gastar entre R$ 101,00 e R$ 300,00, sendo que o valor médio total gasto com os presentes será de R$ 221,61 - 32,6% ainda não decidiram quanto irão gastar no Dia das Crianças. A maioria dos brasileiros (44,3%) pretende comprar três ou mais presentes
Em relação à forma de pagamento, os consumidores mostraram preferência pelo pagamento em dinheiro: 44,6%, em especial os mais jovens (57,1%), as mulheres (53,1%) e os consumidores das classes C/D/E (50,8%). Cerca de 37,0% pagarão no cartão de crédito, seja à vista ou parcelado e, para as compras realizadas a prazo, serão feitas 4 parcelas, em média.
De acordo com o levantamento, 29,3% dos consumidores dizem que a situação financeira continua a mesma em relação ao ano passado, 30,5% acreditam que a situação melhorou e para 39,8% ela piorou, devido à queda da renda, desemprego ou dívidas.
Fonte: SPC Brasil e CNDL
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS