Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. João Corrêa, 1017 - Centro - São Leopoldo/RS - CEP: 93010-363
Fones: (51) 3591.2000 - Fax: (51) 3591.2032

PUBLICIDADE
Operação Carne Fraca

Temer convoca reunião de emergência por escândalo de carne adulterada no País

Presidente receberá ministros e representantes de frigoríficos

O presidente Michel Temer convocou para este domingo uma reunião de emergência em Brasília com ministros e representantes de frigoríficos para tratar o escândalo de produtos adulterados que pode afetar a imagem do maior exportador de carne do mundo. A reunião foi convocada "em função dos últimos acontecimentos" e contará com a presença dos ministros da Agricultura, Blairo Maggi, e da Indústria e Comércio, Marcos Pereira, disse à AFP uma porta-voz do Palácio do Planalto. Depois, Temer receberá "representantes de frigoríficos", acrescentou.

Uma investigação de dois anos trouxe à tona na sexta-feira um esquema corrupto no qual inspetores sanitários recebiam subornos para autorizar a produção de alimentos não aptos para o consumo. Foram emitidas 27 ordens de prisão preventiva e ao menos três frigoríficos foram fechados na sexta-feira, um dedicado ao sacrifício de frangos (do grupo multinacional BRF) e dois da empresa local Peccin que fabricavam mortadelas e salsichas, informou o ministério da Agricultura.

Outros 21 estabelecimentos estão sob investigação e o ministério da Agricultura afastou de seus cargos 33 funcionários envolvidos no esquema. As autoridades não especificaram em quais instituições foram constatados os produtos irregulares, mas afirmaram que em frigoríficos de pequeno porte foi detectado o uso de produtos "cancerígenos e usados para poder maquiar a característica física", o odor, disse o delegado Moscardi Grillo em uma coletiva de imprensa em Curitiba, de onde a operação foi dirigida.

As multinacionais brasileiras atingidas pelo escândalo de carne adulterada afirmaram neste sábado que a qualidade de seus produtos não está em questão, enquanto cresce o temor entre a população de encontrar alimentos em mau estado nas gôndolas dos supermercados. Além da gigante BRF (dona das marcas Sadia e Perdigão), entre as empresas investigadas figura a JBS, líder mundial no mercado de carne, dona das marcas Big Frango, Seara Alimentos e Swift, entre outras.

O que dizem as empresas

"No despacho da Justiça Federal que deflagrou a operação, não há qualquer menção a irregularidades sanitárias ou à qualidade dos produtos da JBS e de suas marcas", afirmou a JBS em um comunicado que ocupava uma página inteira no jornal O Globo. A televisão continuava mostrando neste sábado o famoso ator americano Robert de Niro em uma publicidade de presunto "gourmet" da marca Seara, propriedade da JBS. No anúncio, De Niro aparece na província de Parma degustando pedaços de presunto com "autêntico sabor italiano", segundo uma de suas falas no comercial.

Em outro espaço contratado em uma página completa nos jornais, o grupo BRF "assegura a qualidade e a segurança de seus produtos e garante que não há nenhum risco para seus consumidores". Em uma nota divulgada neste sábado à tarde, a BRF reafirmou que "nunca comercializou carne estragada e nunca foi acusada disso", insistindo em que a informação se refere a outras empresas.

Para a professora Silvia Farias, que faz suas compras em um supermercado do Rio de Janeiro, as informações de que alguns frigoríficos poderiam ter adulterado o frango com papelão são preocupantes. "Vamos ao supermercado, compramos carne para que nossa família consuma e o que esperamos? Que esteja em bom estado, nunca ia imaginar que a carne poderia estar misturada com papelão", disse à AFP.

Impacto no exterior

Michel Temer ligou na tarde deste sábado para Donald Trump, confirmaram assessores da presidência do Brasil, sem informar sobre o conteúdo da conversa, que ocorreu um dia depois de que o escândalo foi revelado. O Brasil começou a exportar carne bovina 'in natura' para os Estados Unidos no ano passado. O Brasil é o primeiro exportador mundial de carne bovina e avícola, com presença em ao menos 150 países. O impacto deste caso no exterior preocupa as autoridades brasileiras, num momento em que buscam acelerar um acordo de livre comércio entre o Mercosul e a União Europeia.

Eumar Novacki, secretário-executivo do Ministério da Agricultura, admitiu que existe receio de que mercados se fechem, mas afirmou que as irregularidades detectadas constituem um "fato isolado" dentro do "robusto" sistema de vigilância sanitária brasileiro. "Não se pode colocar em xeque o sistema inteiro pela conduta de uma minoria", alegou Novakci, afirmando que todas as exportações brasileiras são fiscalizadas também ao chegar a outros países, razão pela qual descarta que qualquer produto adulterado chegue a ser distribuído no exterior.

O presidente Michel Temer convidou os embaixadores de países importadores de carne para uma reunião no Palácio do Planalto na segunda-feira, às 14 horas, na tentativa de dirimir os efeitos da Operação Carne Fraca nas exportações brasileiras. O encontro também deve contar com a presença do ministro da Agricultura, Blairo Maggi. 


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS