Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. João Corrêa, 1017 - Centro - São Leopoldo/RS - CEP: 93010-363
Fones: (51) 3591.2000 - Fax: (51) 3591.2032

PUBLICIDADE
Plano de Desassoreamento

São Leopoldo inicia obras para evitar alagamentos

Ações fazem parte do projeto que vai garantir mais vazão em arroios

Play

Com o início do outono e consequentemente do período de maior incidência de chuvas, a Prefeitura anunciou nesta segunda-feira (20) o Plano de Desassoreamento dos Arroios e Valas nas Regiões Norte 1 e 2, da cidade de São Leopoldo. E o lançamento também marcou o início dos trabalhos. Trata-se de uma ofensiva que tem como objetivo evitar os alagamentos na época das chuvas. E o processo de desassoreamento está iniciando pelos arroios e valas da Zona Norte. A atividade integra as secretarias de Obras, Meio Ambiente e o Serviço Municipal de Água e Esgoto (Semae). Todo o trabalho deve se prolongar por aproximadamente de três meses. Ao acompanhar a limpeza iniciada em arroio localizado na Avenida Atalíbio Taurino de Resende com a Avenida Thomas Edison, o prefeito Ary Vanazzi anunciou ainda a abertura do eco ponto do bairro Scharlau para o dia 10 de abril.

De acordo com Vanazzi, além do trabalho essencial de roçada e limpeza constante, uma draga vai ampliar a vazão dos canais para que as águas das chuvas possam chegar até a casa de bombas. Além da Atalíbio, será feito ainda o desassoreamento do Dique da Campina e do Rio dos Sinos. Segundo ele, esse trabalho, que está sendo feito vai beneficiar os moradores da Campina, Jardim Viaduto, Rio dos Sinos, Brás e Santos Dumont. “É preciso que a população também colabore e evite jogar lixo próximo a esses canais, ou em local inadequado”, destaca.

Nesse sentido, o prefeito anunciou que no próximo dia 10 de abril colocará a disposição da população o Eco Ponto da Zona Norte, local onde poderá ser direcionado todo o lixo extra domiciliar. A partir da abertura do local, ele reforça que a proposta é fiscalizar e até mesmo aplicar multas em quem depositar lixo em beira de ruas, estradas ou terrenos baldios. Para isso será feita uma ampla divulgação de como funcionará o eco ponto. “O Município gasta muito com o recolhimento de lixo em local irregular, queremos reduzir esses gastos para poder investir em outras áreas.”

Diego da Rosa/GES
INICIATIVA: trabalho deve durar três meses e envolve inda criação de eco ponto na Scharlau

Estradas sob os diques

O prefeito destaca ainda que nos próximos dias deverá acionar o Ministério Público em relação ao uso das das estradas sobre os diques. A ideia é reforçar a fiscalização e também solicitar do Governo Federal os recursos para a manutenção dos diques. Ele destaca que isso é uma preocupação constante da administração municipal. Preocupação que se transforma em alerta com a proximidade de períodos de chuva mais intensos, como foi em 2008, quando a cidade enfrentou um período grande de instabilidade.

Conforme dados históricos do Semae, após a grande enchente de 1965, com auxílio do governo da Alemanha, foi idealizado um projeto para proteção contra as cheias em São Leopoldo. Com recursos do governo da Alemanha, governo federal e estadual em 1974 iniciaram as obras de contenção das cheias, com a construção do dique de terra e muro de concreto na margem esquerda do rio, para proteger parte das áreas alagadiças do Rio dos Sinos. Neste mesmo período também foram construídas as três primeiras casas de bombas da cidade, localizadas junto à Estação Rodoviária, Ginásio Municipal e canal João Corrêa.

Trabalho importante

Para o diretor geral do Semae, Nestor Schwertner, o Plano de Desassoreamento é um trabalho importante, sendo que só esse tipo de manutenção vai garantir a eficiência das casas de bombas. O secretário de Obras Viárias, Geraldo Passos destaca a parceria das secretárias em trabalhar de forma unificada para resolver os problemas da cidade. “Mesmo com poucos recursos estamos buscando solução para as situações de maior gravidade. Isso dará uma tranquilidade maior aos moradores desses bairros”, Comenta.

Os vereadores Eduardo Moraes, Ana Afonso e Iara Cardoso acompanharam o início dos trabalhos. Para Iara, iniciativas como essas tem elevado a autoestima da população e ainda vão contribuir para evitar alagamentos. “É visível isso e a comunidade leopoldense percebe a diferença.” Morador na Zona Norte, Dudu Moraes diz que já enfrentou problemas com alagamentos por isso fez questão de estar presente no início dos trabalhos. “Em épocas de enchente é uma preocupação constante, uma vez que muitos moradores acabam perdendo tudo, por isso a importância do desassoreamento.”

Lixo, entulhos e pneus

Somente na última chuva mais forte, que foi registrada no final de semana dos dias 11 e 12 de março, as equipes do Semae retiraram 5.200 toneladas na Casa de Bombas João Correa, 1.500 tonelada da Casa de Bombas Campina e 800 quilos da Casa de Bombas do Arroio Cerquinha. Além disso, o último sábado, mesmo sem chuva foi de muito trabalho, pois um pneu atingiu a bomba 1 do João Correia que acabou danificando e ficou sem funcionar. Foi necessário, conforme o Semae, um trabalho intenso para retirar o pneu da estrutura e também recuperar a bomba.

O Semae trabalha com cinco casas de bombas, a parte que é possível ver, e 21 motobombas, que ficam submersas em até seis metros. A Casa de Bombas Rodoviária e Ginásio são responsáveis pela drenagem no Centro da cidade; a Casa de Bombas Campina engloba os bairros Campina, Antônio Leite, Loteamento Santo Antônio, uma parte da Scharlau e adjacências; e Casa de Bombas Arroio Cerquinha atende as Vilas Fênix, Berger, Brasília, Elza, Parque Mauá, Santa Marta e região. Há ainda, a maior delas, a Casa de Bombas João Corrêa que envolve os bairros Vicentina, São Miguel, Charrua, Paim, Vila Maria e arredores.

Conforme o diretor da autarquia, Nestor Schwertner, desde o início do ano, o Semae está trabalhando para resolver os problemas nas casas de bombas, em especial na Casa de Bombas João Corrêa. Trata-se de um trabalho de recuperação geral das unidades e também de plano de manutenção.

Serviços integrados

Outra ação importante que está acontecendo na cidade é a segunda fase do Fórum de Serviços Integrados. As ações dessa nova etapa começaram na última semana e seguem até o final do mês. Nesta etapa os bairros que compõem a Regiões Norte 1 e 2 estão contemplados com o mutirão de trabalho, envolvendo 12 escolas, quatro praças e as várias vias principais. Conforme dados do programa, as equipes farão serviços de melhoria do sistema de micro e macrodrenagem pluvial; recapeamento das vias principais, pintura de meio fio, limpeza, capina e roçada de ruas e praças. Também haverá uma atenção especial no entorno das escolas que receberão pintura de faixas de segurança e de sinalização de trânsito.

No mês de abril os serviços serão executados na Região Sul. Na Região Nordeste o serviço será durante o mês de maio. Para a Região Oeste ação ocorrerá no mês de junho. O encerramento do circuito será em julho na Região Central. O trabalho de manutenção repetirá o mesmo roteiro a partir de agosto com objetivo de manter os serviços em dia. O Fórum reúne as pastas de Serviços Públicos (Sesp), Defesa Civil, Obras Viárias (Semov), Saúde (Semsad), Meio Ambiente (Semmam), Orçamento Participativo (OP), Serviços da Zona Leste (Seleste), da Zona Norte (Senorte), Serviço Municipal de Água e Esgoto (Semae) e Departamento de Comunicação (Decom) da Prefeitura.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS