Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. João Corrêa, 1017 - Centro - São Leopoldo/RS - CEP: 93010-363
Fones: (51) 3591.2000 - Fax: (51) 3591.2032

PUBLICIDADE
Delação

Sartori teria recebido R$ 1,5 milhão da JBS; PMDB diz que repasse é legal

Propina teria sido mediada por Aécio Neves

Em delação premiada, o executivo da JBS Ricardo Saud diz ter repassado R$ 1,5 milhão em propina à campanha do governador José Ivo Sartori para o governo do Estado, em 2014. O valor teria sido mediado por Aécio Neves, que na época concorria à presidência da República. 

Sartori confirma ter recebido o dinheiro, mas sustenta que a doação foi legal. "Nunca participei deste mar de lama", disse ele, em nota (leia a íntegra abaixo).

Confira abaixo o vídeo:

(As imagens foram divulgadas pelo jornal O Estado de S. Paulo. A parte onde ele menciona o governador começa em 21 minutos e 49 segundos)

"Uma coisa aqui que você vai achar engraçada. O Aécio pediu pra dar R$ 1,5 milhão para o PMDB do Rio Grande do Sul", diz Saud.

"Mas o PMDB já não estava com o PT?", questiona o procurador.

"Só que lá o Ivo Sartori era dissidente, porque o PT tinha candidato lá. Aí, Aécio deu R$ 1,5 milhão desse dinheiro, dessa propina, pro Sartori", explica Saud.

"Entendi. Doação oficial?"

"Doação oficial, dissimulada", conclui empresário da JBS.

Em nota oficial, divulgada na noite desta sexta-feira (19), o PMDB garante que o repasse foi realizado "dentro da legislação vigente". As doações, segundo a nota assinada pelo coordenador financeiro da campanha de Sartori em 2014, as doações foram "efetivadas através de transferência eletrônica, saindo da conta da empresa diretamente para a conta da candidatura, bem como emitidos os respectivos recibos eleitorais".

No final da noite de sexta-feira, o governador divulgou uma nota, também alegando a legalidade da doação da JBS à sua campanha:

"A doação da JBS para minha campanha foi declarada e com recibo, dentro da legalidade. Repudio qualquer tentativa de me envolver nesse caso.

Nunca participei desse mar de lama. E o povo gaúcho pode ter certeza de que não haverá nada que prove em contrário.

Minha honra é meu maior patrimônio. Faz parte da minha criação fazer a coisa certa. Não aceito a generalização.

Não me misturem com essa gente. Pratico e sempre pratiquei a política da seriedade, da integridade e da transparência.

A coordenação da campanha já se pronunciou e está à disposição para prestar qualquer esclarecimento.

Espero que haja responsabilidade na abordagem do assunto, com investigação e punição rigorosa para os culpados.

José Ivo Sartori"

Doações a mais de 1,8 mil candidatos

Ainda na delação premiada, o diretor revelou que foram destinados quase R$ 600 milhões para 1.829 candidatos de 28 partidos de diversos partidos. Teriam sido eleitos 179 deputados federais de 19 siglas, 28 senadores da República e 16 governadores. O presidente da OAB-RS, Ricardo Breier, já se manifestou afirmando que vai solicitar informações adicionais do depoimento do executivo Saud que fala da doação para a campanha de Sartori.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS