Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. João Corrêa, 1017 - Centro - São Leopoldo/RS - CEP: 93010-363
Fones: (51) 3591.2000 - Fax: (51) 3591.2032

PUBLICIDADE
Colorado

Inter valoriza ponto conquistado contra o Santa Cruz

Apesar do desempenho abaixo do esperado, técnico Guto Ferreira comemorou o ponto fora de casa em função das condições do jogo

Ricardo Duarte/Inter
Colorado de Nico López não teve boa atuação, mas trouxe um ponto de Recife
O futebol apresentado pelo Inter no empate por 0 a 0 com o Santa Cruz, no sábado, em Recife, voltou a preocupar os torcedores colorados. Ainda assim, técnico, jogadores e dirigentes preferiram valorizar o ponto conquistado fora de casa. Como justificativa para o mal desempenho, todos foram unânimes em apontar a má qualidade do gramado do Estádio do Arruda e as ausências de D’Alessandro e Fabinho, suspensos, além de William Pottker, e Carlos, lesionados. Nesta terça-feira, às 21h30, atuando em casa contra o Paraná, só a vitória interessa. Até pelo fato dos paranaenses serem rivais diretos na briga pelo G4: o Inter ocupa a quinta posição, com 13 pontos, enquanto o Paraná é o sétimo colocado, com 12.

“O Inter sempre trabalha por vitória. Não vencemos, mas olhando por outro ângulo, levamos um ponto importante. Quanto mais somar, menos faltará à frente. Em cima das dificuldades da partida, não deixa de ser importante”, avaliou o técnico Guto Ferreira. “Nunca estou satisfeito sem vencer, mas preciso ser coerente”, disse, referindo-se à chuva e ao gramado ruim.

“O campo não tinha condições de jogo. Valorizo a luta que a equipe teve. Queríamos a vitória, mas ganhamos um ponto”, ressaltou o vice de futebol, Roberto Melo. O dirigente minimizou o mau desempenho, mas salientou que, no Beira-Rio, é preciso vencer. “O rendimento seria mais preocupante se fosse em um gramado com condições. O Inter tem que fazer o dever de casa. É obrigação. O torcedor vai empurrar o time.”

Para Uendel, o grande vilão colorado foi o gramado. “Não dá para avaliar o desempenho, o campo é impraticável. Apostamos na ligação direita. Fica o gostinho de que poderia ser melhor”, afirmou o jogador, que atuou como meia. “Sempre queremos ganhar, mas vocês viram a situação do campo. O empate está de bom tamanho”, lamentou o volante Rodrigo Dourado, fazendo coro aos companheiros.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS