Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. João Corrêa, 1017 - Centro - São Leopoldo/RS - CEP: 93010-363
Fones: (51) 3591.2000 - Fax: (51) 3591.2032

PUBLICIDADE
Catástrofe

Incêndio em Portugal foi provocado por queda de raio em árvore: veja fotos

Polícia descarta crime; fogo se alastrou por florestas de eucalipto

  • Um dos veículos que foram atingidos pelo fogo em Pedrogão Grande
    Foto: AFP
  • A fumaça prejudica inclusive a qualidade do ar nas áreas atingidas
    Foto: AFP
  • Moradores atingidos e que escaparam do fogo estão desolados com a destruição causada
    Foto: AFP
  • Catástrofe causada pelo fogo comoveu portugueses neste domingo
    Foto: AFP
  • Dezenas de pessoas acabaram morrendo ao tentar fugir do avanço das chamas em Portugal
    Foto: AFP
  • Uma das 220 unidades dos Bombeiros que está combatendo o incêndio em Pedrogão Grande, na região de Leiria
    Foto: AFP
  • Na última noite, uma verdadeira visão infernal das chamas que se alastravam por uma gigantes região de Portugal
    Foto: AFP
  • Bombeiros se refugiam após árduo combate ao incêndio em florestas portuguesas
    Foto: AFP
  • Homem observa incêndio de grande proporção em Anciao, na região da Leiria
    Foto: AFP

O diretor da Polícia Judiciária de Portugal (PJ), Almeida Rodrigues, afirmou neste domingo que o incêndio deste sábado na região de Pedrógão Grande, provocando a morte de ao menos 62 pessoas, não foi criminoso. A explicação mais provável é que um raio tenha dado início ao fogo, que se alastrou por florestas de eucaliptos.

"A PJ conseguiu determinar a origem do incêndio e tudo aponta muito claramente para causas naturais", explicou Rodrigues. "Inclusive encontramos a árvore que foi atingida por um raio".

Segundo as investigações preliminares, o ponto de início do incêndio foi em Escalos Fundeiros, município em Pedrógão Grande. Segundo as autoridades, o vento e o tempo seco facilitaram que as chamas se alastrassem para as cidades vizinhas de Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pêra.

"Nós temos equipes no terreno em três frentes. Por um lado, no plano da prevenção, embora obviamente com trovoadas não seja possível prevenir o que quer que seja", disse Rodrigues. "São equipes para determinar as causas e a progressão do incêndio, e outra para investigar as causas das mortes das pessoas que foram atingidas por esta tragédia", conclui.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS