Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. João Corrêa, 1017 - Centro - São Leopoldo/RS - CEP: 93010-363
Fones: (51) 3591.2000 - Fax: (51) 3591.2032

PUBLICIDADE
Islamofobia

Atropelamento em Londres deixa um morto e dez feridos em frente à mesquita

Polícia trata caso como terrorismo; motorista foi preso

Daniel LEAL-OLIVAS /AFP
Mulher caminha em frente à mesquita onde aconteceu o ataque no norte de Londres; fiéis fizeram pequeno memorial
Um homem ao volante de uma van atropelou no domingo (18) à noite de modo intencional os fiéis que saíam de uma mesquita de Londres, uma ação que deixou um morto e dez feridos. "A polícia investiga os fatos como um incidente terrorista", disse a ministra do Interior, Amber Rudd.

Uma testemunha, Khalid Amin, afirmou à BBC que o homem gritava: "Quero matar todos os muçulmanos!". O ataque aconteceu pouco depois da meia-noite (horário local) na mesquita de Finsbury Park, no bairro de Islington, zona norte de Londres.

O motorista da van, um homem de 48 anos, foi detido pelas pessoas no local, informou a polícia, que elogiou o controle da multidão, dadas as circunstâncias. "Todas as vítimas são da comunidade muçulmana", declarou o comandante da unidade de polícia antiterrorista Neil Basu, antes de explicar que o homem de 48 anos atuou sozinho.

Nesta segunda-feira, o atropelador será submetido a exames psiquiátricos.

  • Ambulâncias e socorristas na área de Finsbury Park, em Londres, onde multidão foi atropelada
    Foto: AFP
  • Ambulâncias na área de Finsbury Park, em Londres, onde uma van atropelou multidão, incluindo vários fiéis que saíam de mesquita. Uma pessoa teria sido presa
    Foto: AFP
  • Guarda armado em uma das ruas da área de Finsbury Park, em Londres, onde uma van atropelou multidão, incluindo vários fiéis que saíam de mesquita
    Foto: AFP
  • Guarda armado em uma das ruas da área de Finsbury, em Londres, onde uma van atropelou multidão, incluindo vários fiéis que saíam de mesquita
    Foto: AFP

A primeira-ministra Theresa May condenou o "incidente terrível" que será investigado pela polícia, segundo ela, como um "potencial ataque terrorista" e convocou uma reunião de emergência. May afirmou que seus "pensamentos estão com os feridos, seus parentes e as equipes de emergência".

O prefeito de Londres, Sadiq Khan, muçulmano, denunciou um "ataque terrorista horrível" que apontou "deliberadamente contra londrinos inocentes, muitos deles que acabavam de orar no mês sagrado do Ramadã".

Mohammed Shafiq, que dirige a organização muçulmana Ramadhan Foundation, condenou este "mal-intencionado ataque", em um comunicado. "Caso se confirme que se trata de um ataque deliberado, então terá que ser considerado um ato terrorista", afirmou.

Cage, uma associação muçulmana de defesa dos direitos humanos, denunciou o "aumento desenfreado da islamofobia" e fez um pedido de "calma". No período do Ramadã, os muçulmanos praticantes vão à mesquita depois do Iftar, o final do jejum ao anoitecer, e fazem orações até a meia-noite.

A mesquita de Finsbury Park era conhecida, no início dos anos 2000, por ser um lugar de militantes islamitas de Londres, que frequentavam o centro para escutar os incendiários sermões de Abu Hamza. Este pregador egípcio, amputado nos dois antebraços, foi condenado à prisão perpétua em janeiro de 2015 nos Estados Unidos, por 11 acusações vinculadas a uma tomada de reféns e por terrorismo.

Quatro ataque em três meses

O incidente acontece em um contexto de extremo nervosismo, depois que o Reino Unido foi atingido por quatro atentados em três meses, três deles com veículos jogados contra as pessoas.

No dia 22 de março, Khalid Masood, um britânico de 52 anos convertido ao islã e conhecido da polícia, lançou seu veículo contra vários pedestres na ponte de Westminster, no centro de Londres, antes de assassinar um policial com uma faca em frente ao Parlamento. O ataque terminou com cinco mortos.

Paul Ellis/AFP
Explosão no show da Ariana Grande, em Manchester, deixou mortos e feridos

Em 22 de maio em Manchester, um atentado suicida, reivindicado pelo grupo Estado Islâmico, deixou 22 mortos e uma centena de feridos na saída de um show da cantora americana Ariana Grande. O autor, Salman Abadi, era um britânico de 22 anos de origem libanesa.

Em 3 de junho, três agressores a bordo de uma van atropelaram várias pessoas na London Bridge e depois esfaquearam outras no Borough Market, antes de serem abatidos pela polícia. Oito pessoas morreram no ataque.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS