Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. João Corrêa, 1017 - Centro - São Leopoldo/RS - CEP: 93010-363
Fones: (51) 3591.2000 - Fax: (51) 3591.2032

PUBLICIDADE
Ciência

Vitamina C induz a morte de células que causam câncer no sangue

Em altas doses, molécula induz o funcionamento de um gene específico

Divulgação
Segundo os pesquisadores, índices de vitamina C necessários no tratamento do câncer não são conseguidos somente com frutas
Injeções de altas doses de vitamina C podem ajudar no combate ao câncer de sangue, que inclui diferentes tipos de leucemia. Em experimentos realizados em camundongos, a molécula se mostrou capaz de induzir o funcionamento do gene tet methylcytosine dioxygenase, ou TET2, responsável por forçar o desenvolvimento de células tronco em células sanguíneas maduras, que acabam morrendo. Mutações que causam deficiência no funcionamento do TET2 são encontradas em 10% dos pacientes com leucemia mielogênica aguda, 30% dos casos de síndrome mielodisplásica e 50% das leucemias mieloides crônicas.

"Estamos entusiasmados com a perspectiva de que a vitamina C em altas doses possa se tornar um tratamento seguro para doenças do sangue causadas pela deficiência do TET2, muito provavelmente em combinação com outras terapias", disse o autor do estudo publicado na quinta-feira no periódico Cell, Benjamin Neel, da Universidade de Nova York.

Essas doenças provocam anemia, sangramento anormal e aumentam os riscos de infecção, pela multiplicação de células tronco doentes na medula óssea. Normalmente, a medula óssea guarda células tronco para que, na idade adulta, elas sirvam para substituir outras células especializadas quando necessário. Em pacientes com leucemia, sinais que induzem o amadurecimento de células tronco sanguíneas não funcionam, fazendo com que elas se multipliquem e se acumulem, mas não se desenvolvam.

No estudo, os pesquisadores criaram camundongos nos quais o gene TET2 poderia ser ativado e desativado. Assim como em humanos, a desativação provocou um comportamento anormal das células tronco. Sabendo que a vitamina C estimula a atividade do TET2, os pesquisadores injetaram altas doses da molécula e a deficiência na atividade do gene foi revertida, fazendo com que as células tronco amadurecessem em células sanguíneas e seguissem o curso normal até a eventual morte celular.

A vitamina C também suprimiu o crescimento de células tronco leucêmicas de pacientes humanos implantadas nas cobaias.

"De forma interessante, nós descobrimos que o tratamento com vitamina C teve um efeito sobre as células tronco leucêmicas", comentou Luisa Cimmino, coautora do estudo. "Por esse motivo, nós decidimos combinar a vitamina C com uma outra droga, conhecida por causar a morte de células cancerígenas pelo bloqueio do reparo no DNA, já aprovada para tratar certos pacientes com câncer no ovário."

A expectativa é que a vitamina C possa auxiliar no tratamento da doença, sobretudo em pacientes idosos que não resistiriam à quimioterapia. Para a prevenção, contudo, os pesquisadores dizem ser inviável. Os camundongos receberam 100 miligramas de vitamina C em cada injeção, o equivalente a duas laranjas, aproximadamente. Mas os humanos pesam 3 mil vezes mais que um camundongo. E como o organismo para de absorver vitamina C após 500 miligramas, qualquer possível terapia requer injeção intravenosa.

"Você não consegue atingir os níveis necessários para os efeitos desse estudo apenas comendo laranjas", explicou Neel.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS