Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. João Corrêa, 1017 - Centro - São Leopoldo/RS - CEP: 93010-363
Fones: (51) 3591.2000 - Fax: (51) 3591.2032

PUBLICIDADE
Sessão

TRF4 julga recursos da Lava Jato na próxima quarta-feira na Capital

Sessão acontece em Porto Alegre e analisa apelações de José Dirceu e outros dez indiciados

Justiça Federal/Divulgação
Prédio do Tribunal Federal da 4ª Região (TRF4), a segunda instância da Justiça Federal com sede em Porto Alegre
O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), localizado em Porto Alegre, será palco na próxima quarta-feira (13) de novos capítulos da Operação Lava Jato, no âmbito do Poder Judiciário. Em sessão marcada para às 13h30 e que deverá terminar somente no início da noite, os juízes da 8ª Turma do TRF4, que julgam recursos da Lava Jato, irão analisar duas apelações criminais. Uma delas tem como apelantes o Ministério Público Federal (MPF) e o ex-deputado federal Pedro Correa (PP), condenado a 20 anos e sete meses de prisão em outubro de 2015, pelo juiz Sergio Moro, por ter recebido de propina R$ 11,7 milhões.

Na mesma apelação estão ainda seu ex-chefe de Gabinete, Ivan Vernon Gomes Torres Júnior, e Rafael Ângulo Lopez, apontado como o ‘faz-tudo’ do doleiro Alberto Youssef. No outro processo que será analisado pelos três desembargadores que compõem a 8ª Turma, são apelantes o ex-chefe da Casa Civil no governo Luis Inácio Lula da Silva, José Dirceu de Oliveira e Silva, seu irmão, Luis Eduardo de Oliveira e Silva, o ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, além de Fernando Antonio Guimarães Hourneaux de Moura, Gerson de Mello Almada Marques, Júlio Cesar dos Santos, Renato Souza Duque, Petrobrás e MPF. José Dirceu e o demais foram indiciados pela Polícia Federal em setembro de 2015, nos desdobramentos da Operação Pixuleco, quando a Polícia Federal atribuiu ao ex-ministro a movimentação de mais de 59 milhões de reais em propinas.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS