Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. João Corrêa, 1017 - Centro - São Leopoldo/RS - CEP: 93010-363
Fones: (51) 3591.2000 - Fax: (51) 3591.2032

Tecnologia
Em data religiosa

O pedido de perdão do criador do Facebook

Mark Zuckerberg fez declaração pública no seu perfil do Facebook para marcar a data judaica do Yom Kippur
01/10/2017 17:59 01/10/2017 18:02

Divulgação
Mark Zuckerberg, cofundador e CEO do Facebook, indiretamente reconheceu problemas originados pela rede social
Na noite deste sábado para domingo (01), o cofundador e CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, fez através de seu perfil na rede social um pedido público de desculpas. A postagem fez alusão ao Yom Kippur, data religiosa da fé judaica, à qual ele anunciou recentemente ter voltado. O que ele escreveu em seu perfil

Esta noite se conclui a celebração do yom kippur, o dia mais sagrado do ano para os judeus, quando nós refletimos sobre o último ano e pedimos perdão pelos nossos erros. Para aqueles que magoei este ano, peço perdão e vou tentar ser melhor. Pela forma como o meu trabalho foi usado para dividir as pessoas em vez de nos juntar, peço perdão e vou trabalhar para fazer melhor. Que todos nós possamos estar melhor no ano que vem, e que todos vocês estejam inscritos no livro da vida.

Além da ação ritual de pedir perdão, que faz parte do preceito religioso, a postagem de Zuckerberg com sua menção ao problema de "dividir as pessoas em vez de nos juntar" foi interpretada como um reconhecimento à maior acusação que o Facebook tem enfrentado, o papel (ainda que involuntário) na propagação das fake news. Fenômenos deste tipo teriam sido usado por operadores russos para influenciar a eleição norte-americana, além do uso para endossar discursos de ódio.

Analistas apontam que o Facebook, obviamente, não tem necessariamente culpa pelos discursos de ódio veiculados ou pela propagação de notícias falsas, porém a empresa de Zuckerberg precisa enfrentar estes temas para não perder a confiança de usuários e, principalmente, investidores. Se a plataforma vier a ser identificada com informação pouco confiável e com conflitos de direitos humanos ou manipulação de dados, a tendência é de que os usuários e anunciantes se afastem dela.






Jornal VS

Tecnologia

por André Moraes
andre.moraes@gruposinos.com.br

André Moraes é editor de Tecnologia do Jornal NH. Sua experiência profissional inclui o jornalismo de divulgação científica, publicações técnicas e reportagem de tecnologia.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS