Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. João Corrêa, 1017 - Centro - São Leopoldo/RS - CEP: 93010-363
Fones: (51) 3591.2000 - Fax: (51) 3591.2032

PUBLICIDADE
Cultura

Festival de Artistas de Rua aproxima teatro e circo do público na região

Iniciativa é uma ação do Grupo Corpos & Sombras - teatro e circo
03/10/2017 17:27 03/10/2017 17:28

Alecs DallOlmo/GES-Especial
CULTURA: estudantes do Gusmão participaram ontem de uma dos eventos do encontro
'O maior espetáculo da terra'. Assim várias turmas da Escola Maria Gusmão Britto entraram no ritmo de uma das ações do Festival de Artistas de Rua, evento que começou no domingo - com performances em Novo Hamburgo, São Leopoldo e Porto Alegre - e segue até o próximo final de semana. Durante o encontro, os alunos participaram de uma oficina de cortejo, com direito a história da arte de rua, muita música e, claro, movimento. Turma toda em festa para celebrar a relação arte e educação. “Acho essencial participar de atividades para além da dala de aula, ainda mais ouvir sobre arte de quem está produzindo arte”, ressalta Julia Brandão, 12, da 7.ª série, acompanhada da amiga Ana Julia Liell da Rosa, 11, da 5.ª série.

Filipe Farinha, do Grupo Corpos & Sombras – teatro e circo, responsável pela produção do encontro, falou sobre a arte de rua, sobre a história dos cortejos, fazendo referência aos artistas mambembes. Claudia Severo, também do Corpos & Sombras, aproveitou para enfatizar a commedia dell'arte, explicando que se trata de um gênero popular do teatro renascentista que exerceu influência na maneira de fazer teatro e circo, envolvendo caráter popular. Os palcos eram improvisados e o esquema de apresentação estava baseado na improvisação e espontaneidade de seus atores. Uma arte democrática.

Farinha explica que o festival se forma para valorizar e reforçar a cultura do chapéu, o qual perpetua a arte no mundo, mantém o artista no seu caminho e o público encantado. Claudia detalha que o conceito do passar o chapéu na arte de rua envolve mais que a doação espontânea. “É a prova que o povo tem o poder de escolha e que de maneira puramente democrática se pode seguir em frente com sonhos e trabalhos sérios na sociedade.” Durante toda a semana estão previstas oficinas, debates e espetáculos, além de promover o encontro entre artistas das mais variadas linguagens e procedências. A atividade do Gusmão contou com apoio de vários professores, entre eles a professora de artes, Lisiane Moresco.

Mais ações no sábado

Além da atividade no Gusmão, São Leopoldo terá outro momento especial no sábado, dia 7. E a proposta é tomar conta da cidade com várias performances. A concentração começa às 10 horas, na Praça do Imigrante e segue em cortejo até a esquina com a rua Lindolfo Collor, onde acontecem apresentações artísticas. Também participam as bandas marciais das escolas municipais Otília Rieth e Gusmão Britto. Estão previstas encenações com convidadas do Rio de Janeiro e México, a partir das 15 horas, na Praça Amadeo Rossi. Na sequência, às 19 horas, também na Amadeo Rossi, acontece o evento cênico Noite de Fogo.

Oportunidade

“O festival trará para a cidade artistas de rua, palhaços, malabaristas, músicos do Brasil e de outros países. Será uma oportunidade da população assistir espetáculos de excelente qualidade”, destacou o secretário de Cultura e Turismo, Pedro Vasconcellos. O evento é realizado pelo coletivo FAR e conta com o apoio da Prefeitura de São Leopoldo por intermédio da Secretaria de Cultura e Turismo (Secult).


Jornal VS
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS