Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. João Corrêa, 1017 - Centro - São Leopoldo/RS - CEP: 93010-363
Fones: (51) 3591.2000 - Fax: (51) 3591.2032

PUBLICIDADE
Independência

Catalunha declara independência, mas diz que pode "suspender efeitos" para dialogar

Carles Puigdemont, assumiu o "mandato" do referendo para tornar o local uma república independente
10/10/2017 17:27 10/10/2017 18:03

AFP
População catalã saiu às ruas hoje para celebrar a independência
O presidente catalão, Carles Puigdemont, assumiu nesta terça-feira (10), no Parlamento regional, o "mandato" do referendo para que a Catalunha seja uma república independente, embora tenha pedido aos parlamentares catalães que suspendam "os efeitos" da independência para permitir um diálogo.

O governo espanhol de Mariano Rajoy considerou a medida uma declaração implícita de independência, após o referendo de 1º de outubro, ilegal segundo a Justiça. "Não é admissível fazer uma declaração implícita de independência para depois deixá-la em suspenso de forma explícita".

Em um aguardado comparecimento no Parlamento regional, Puigdemont assumiu o veredicto das urnas, nas quais o "Sim" à autodeterminação venceu com mais de 90% dos votos, com participação de 43% da população desta região com 7,5 milhões de habitantes.

AFP
Carles Puigdemont declarou que está aberto para o diálogo
"Assumo, ao apresentar-lhes os resultados do referendo a todos vocês, o mandato de que a Catalunha se torne um Estado independente em forma de república", disse Puigdemont.

Ato contínuo, acrescentou: "o governo da Catalunha e eu mesmo propomos que o Parlamento suspenda os efeitos da declaração de independência, contanto que nas próximas semanas empreendamos um diálogo sem o qual não é possível chegar a uma solução acordada".

Estas são as mensagens mais fortes de um discurso de marcado tom histórico, quase todo em catalão, no qual condenou o Estado espanhol por não ter sido um interlocutor nem "no passado, nem no presente".

Antes, o presidente catalão defendeu "a necessidade imperiosa de desescalar a tensão e não contribuir nem com a palavra, nem com o gesto a incrementá-la". A sessão começou com uma hora de atraso porque houve uma discrepância no âmbito da coalizão separatista, onde convivem diferentes orientações, do conservador PdeCAT ao partido de extrema esquerda CUP.

O governo espanhol havia pedido horas antes que Puigdemont não fizesse nada "irreversível" e desistisse de agravar a crise política que a Espanha vive - a pior de sua era democrática moderna, uma demanda à qual se somaram vozes europeias. Enquanto o presidente discursava, o Parlamento parecia uma fortaleza. A Polícia catalã fechou ao público o parque onde fica a Câmara para evitar incidentes entre unionistas e secessionistas, dias depois de as imagens de agressões policiais darem a volta ao mundo.

Cercas rodeavam as entradas do parque, dezenas de vans da Polícia estavam no local e um helicóptero sobrevoava a sede. No exterior da área isolada, no passeio Lluís Companys - nomeado em homenagem ao último presidente catalão que declarou a independência da região -, milhares de pessoas acompanhavam seu discurso em dois telões. "Estamos contentes, mas esperávamos mais", comentou Pere Valldeneu, um aposentado de 66 anos, ao final do discurso. Muitos esperavam uma declaração inequívoca. "Estamos esperando que declarem a independência e sabemos que teremos que estar na rua para defendê-la", disse Marta Martínez, advogada de 50 anos, antes do discurso.

Mariano Rajoy comparecerá na próxima quarta-feira (11) às 14 horas (11 horas em Brasília) no Congresso dos Deputados para falar sobre a Catalunha. Sobre a mesa, o governo tem a aplicação do artigo 155 da Constituição, que prevê a suspensão do autogoverno da Catalunha, restaurado após a ditadura de Francisco Franco (1939-1975), ou inclusive decretar um estado de emergência, mas o Executivo poderia optar por uma série de medidas menos alarmantes.


Jornal VS
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS