Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. João Corrêa, 1017 - Centro - São Leopoldo/RS - CEP: 93010-363
Fones: (51) 3591.2000 - Fax: (51) 3591.2032

PUBLICIDADE
Amistoso

Brasil para na forte marcação da Inglaterra e empata sem gols

Este foi o último jogo do Brasil em 2017
14/11/2017 20:48 14/11/2017 20:48

Ian Kington/AFP
Brasil empatou com a Inglaterra em amistoso
Sem muita criatividade e abusando de erros de passe, o Brasil empatou sem gols com a Inglaterra em Londres, nesta terça-feira, em amistoso em que Tite pôde colocar o que considera de mais forte entre seus comandados. Dos 25 jogadores convocados pelo treinador brasileiro, sete jogam a Premier League. Mas o conhecimento do campeonato inglês não ajudou os brasileiros no duelo de Wembley, que contou com mais de 84,5 mil torcedores, no primeiro jogo do técnico contra uma das potências europeias.

Foi a segunda prova de fogo do Brasil contra times de outros continentes. No primeiro a seleção venceu o Japão por 3 a 1, em Lille, mas não conseguiu impor um ritmo para furar o bloqueio dos fortes zagueiros ingleses. Foi o último jogo do Brasil em 2017. Ainda antes da Copa do Mundo, a equipe vai encarar a Alemanha em Berlim no dia 27 de março de 2018. Vai ser o primeiro reencontro entre as duas seleções depois do histórico 7 a 1 imposto pela Mannschaft na semifinal da Copa de 2014.

Antes, a amarelinha viaja até Moscou para enfrentar a Rússia no dia 23 do mesmo mês. São os dos últimos testes antes da convocação final que vai definir o grupo de 23 jogadores que vão buscar o sexto título mundial do Brasil. Aproveitando o rival europeu para testar a força da equipe considerada titular, Tite escalou força máxima. E os primeiros minutos demonstram bom entrosamento entre os 11 favoritos do comandante canarinho. O Brasil se sentiu em casa em Wembley, jogando com autoridade, liberdade e trocando bons passes. A anfitriã, por outro lado, mostrou postura mais resguardada, apostando em contra-ataques e ligações diretas ao ataque.

A dificuldade dos brasileiros, que tinham posse de bola na casa dos 70%, era furar a linha de cinco defensores montada pelo adversário, prevista por Tite e treinada nas práticas anteriores ao confronto. Mas os ingleses se fecharam muito bem e o Brasil teve problemas para criar jogadas. Os canarinhos abusaram de passes errados e não tentavam abrir o campo, com jogadas pelas laterais. As chegadas mais claras foram em chutes de longe e penetrações em jogadas individuais, mas com pouco perigo.

Os ingleses, por outro lado, se contentavam em marcar. Desfalcado de vários jogadores, entre eles os perigosos Dele Alli e Harry Kane, o "English Team" só arriscou uma vez com o jovem Rashford de fora da área. O goleiro Alisson foi seguro e defendeu com tranquilidade. No início da segunda etapa, o Brasil entrou mais ligado e quase abriu o placar logo no primeiro minuto, com Philippe Coutinho recebendo passe em infiltração pelo meio da zaga. Mas o meia do Liverpool chutou em cima do goleiro Joe Hart e desperdiçou. Depois da primeira chance, o jogo diminuiu em ritmo e as poucas chances de gol voltaram a ser habituais. O panorama de domínio de bola brasileiro e forte marcação inglesa se manteve também no segundo tempo.

Diante do problema de criar espaço entre os gigantes ingleses, Tite tentou fazer mudanças no time ao colocar Fernandinho e William nos lugares de Coutinho e Renato Augusto. A melhor chance veio com o volante do Manchester City, que roubou a bola no meio de campo, carregou até a intermediária e acertou a trave, aos 30 minutos. Neymar abusava de jogadas individuais e foi vencido na maioria das vezes que tentou acelerar o jogo. Depois de tanto buscar, conseguiu se desvencilhar da marcação em uma delas, aos 39 minutos, e deu passe para Paulinho. O meia do Barcelona encheu o pé chutando cruzado e exigiu boa defesa de Hart.


Jornal VS
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS