VOLTAR
FECHAR

Av. João Corrêa, 1017 - Centro - São Leopoldo/RS - CEP: 93010-363
Fones: (51) 3591.2000 - Fax: (51) 3591.2032

Blog Arquibancada

Aimoré tem amistoso contra o Esportivo no sábado

.

Um novo teste pré Divisão de Acesso será oferecido ao elenco do Aimoré no sábado (17). Às 17 horas, a equipe recebe o Esportivo, de Bento Gonçalves. De acordo com a direção, terá a cobrança de R$10 por ingresso e também do mesmo valor no estacionamento. Sócios em dia não possuem custo. É mais um importante amistoso. No sábado (10) passado, o time de Arilson Costa venceu o Igrejinha por 1 a 0. Agora, diante do Esportivo, os aimoresistas completarão o terceiro jogo contra possíveis adversários no estadual. É um bom parâmetro, principalmente, para avaliação do elenco.

Futsal crescente

Com a praticamente extinção da Limfa, as competições de futebol de campo estão cada vez mais escassas na região. No momento em que a modalidade parece perder forças, o futsal está numa crescente muito alentadora para os que apreciam o jogo nas quadras. Nesta quinta-feira (15) inicia a Copa Verão São Leopoldo, no Centro de Eventos. Se levarmos em conta que já existe a Liga Leopoldense de Futsal Amador com subdivisões masculinas e, em 2017 com a adição da disputa feminina, creio que podemos nos dar por satisfeitos nesse quesito no âmbito capilé.

Copa dos Campeões

E no tópico acima falei acerca da bola rolando nas quadras leopoldenses. Mas isso sem esquecer da Copa dos Campeões de Esteio. A tradicional disputa, que foi vencida no ano passado pelo Unidos da Campina, é outra com grandes atrativos para a região. Além disso, reúne jogadores que integram grandes times da Liga Gaúcha e Nacional. Já na competição que inicia nesta quinta-feira (15), em São Leopoldo, não serão incluídos times profissionais e haverá o limite de dois atletas federados por equipe. É uma boa forma de dar espaço para amadores e, quem sabe, oferecer espaço para o surgimento de novos jogadores.

Volta aos treinos, empréstimo do centroavante e amistoso contra o Igrejinha

.

Na tarde desta segunda-feira (5), foram retomados os treinamentos aimoresistas com o foco na Divisão de Acesso. No campo da Unisinos, a equipe fez alguns movimentos físicos, depois trabalhos em campo reduzido e, por último, finalizações para alinhar a pontaria. Dentre os atletas dispostos, algumas novidades.

Brandão emprestado

A primeira delas foi a ausência do autor do gol contra o Cuiabá, o centroavante Brandão. De acordo com o presidente Paulo Costa, o 9 Índio foi emprestado ao São Paulo de Rio Grande, que está brigando para não cair. “É uma boa oportunidade e também uma boa vitrine”, disse o presidente, que afirmou ainda que o atleta deve retornar para o Acesso, caso não seja negociado. O avante tem contrato com o clube até o final do ano. Ou seja, eis uma oportunidade de surgir um negócio para o clube em caso de boas atuações por lá.

Pedido do Claiton

E para quem não tem acompanhado a elite do Gauchão, o São Paulo é treinado pelo técnico Claiton dos Santos. O ex-jogador iniciou a carreira como treinador em 2016 no Aimoré e Brandão chegou a ser seu camisa 9. O jovem artilheiro chega com responsabilidade, já que por lá a torcida é muito fanática e pressiona muito.

Reposição

Imediatamente quem foi chamado para os treinamentos foi o atacante Rossetto, dos juniores. Ele foi convocado para suprir a ausência de um homem de área, pelo menos até o retorno de Brandão ou a vinda de Hyantony, que está emprestado ao Avenida. Com isso, o técnico Arilson Costa poderá ter um time diferente para o amistoso de sábado. Diante do Igrejinha, fora de casa, o Aimoré terá mais um teste antes do recesso de domingo e segunda-feira. Na terça-feira, durante o feriado de carnaval, nada de folga.

Balanço da queda Índia na Copa do Brasil. O que fica e o que muda?

.

De virada, o Aimoré perdeu para o Cuiabá por 2 a 1 nessa quarta-feira (31). Nas linhas dessa edição, pretendo fazer um resumo do que fica para o clube e o que poderia ter sido diferente. Pela forma que foi, tenho certeza que a dor foi proporcionalmente maior no peito dos 1.669 presentes no Estádio Cristo Rei. Número bastante importante e alentador ao clube que, recentemente, na final da Copa Paulo Sant'Ana de 2017, também recebeu muitos aimoresistas.

Boa atuação

O resultado frustrante foi diferente da atuação. Mas não adianta. Não é nenhuma novidade, mas futebol é resultado. De qualquer forma, vi muitos fatores positivos para retirarmos do duelo nacional. Ainda que os treinamentos tenham fechado menos de um mês, vi muito do trabalho do técnico Arilson Costa. O gol foi numa ocasionalidade após bola parada, mas a maioria das jogadas foram construídas e puxadas pela personalidade dos responsáveis pela ofensividade do time.

Justiça seja feita

Na coluna de terça-feira (30), exaltei o trabalho que Cleiton tem feito na articulação e reitero a fala. Altero, no entanto, o que disse sobre o centroavante Brandão. Cobrei mais participação do 9 aimoresista, que no meu ver, esteve isolado e conformado nos jogos iniciais. Diante do Cuiabá, o jovem foi outro jogador. Fez pivô, tabelou, marcou gol e combateu. Talvez a melhor partida dele com a camisa do Aimoré. Outro jogador que preciso citar novamente é Marco Antônio. A arrancada do jogador é muito forte e, nos momentos em que o jogo ficava encardido, o 11 chamou a responsabilidade e enfileirou marcadores em diversas oportunidades. Grande jogo.

Problemas frequentes

Mesmo vencendo o jogo e com mais oportunidades, o Aimoré sofreu com alguns contra-ataques. Nesse aspecto, enxergo a necessidade de alguns ajustes de posicionamento. A zaga ficou muito exposta. Centeno, que também critiquei na terça (30), demonstrou mais seriedade e esteve muito bem. O lateral esquerdo Cássio manteve a regularidade, qualidade e tranquilidade. Já Léo Kanu e a dupla de volantes Digao e Élton sofreram muito na partida. Com meias velozes, os verdes do Cuiabá obtiveram vantagem na maioria dos embates. Esse é um ponto que precisa melhorar ou ter alguma mescla com outros nomes mais jovens. Na zaga, está de volta Douglão, que já deve auxiliar na resolução desses problemas. Mas a lentidão do setor tem de ser contida. No Acesso, pode trazer sofrimento.

Frustrante para a torcida

Por fim, além de exaltar a presença dos torcedores e também aplaudir a maior parte da atuação, preciso registrar um retorno de muitos que conversaram comigo. O balde de água fria soou como uma grande frustração, principalmente para quem não está acostumado a frequentar o Estádio Cristo Rei. Depois da chance de se manter na competição e, por conta dos valores que viriam da CBF quem sabe mudar o patamar do clube, a queda foi ainda mais decepcionante. Claro que boas atuações podem trazer novamente os simpatizantes ao campo, mas a impressão ficou ruim. Mas como defende o presidente Paulo Costa, não há o que fazer. Só chama torcida time que está ganhando. E é por aí que deve focar o Aimoré, despejando todas as fichas para voltar à elite.

Avaliação da equipe Índia que entra em campo pela Copa do Brasil nesta quarta-feira (31)

.

Na matéria publicada no sábado (27), acerca do amistoso contra o Ypiranga de Erechim, já deixei bem claro o clima quente no encontro dos futuros adversários na Divisão de Acesso. Foi uma partida muito interessante, até para saber se o elenco aimoresista estava nivelado contra um dos prováveis clubes que entrarão na disputa postulantes ao retorno para o Gauchão. A vitória por 1 a 0, não foi o único fator positivo retirado. Abaixo algumas constatações de cada um dos setores do time.

Volantes

Digao e Élton, bem como nas outras passagens pelo Cristo Rei, são incansáveis. É compreensível que em alguns momentos eles tenham trabalho com adversários com maior velocidade, mas de modo geral, possuem bom comportamento. Levando em conta o que tem a disposição de Arilson Costa, não enxergo outro alternativa. São eles.

Laterais

Murilo tem sempre uma bola parada perigosa. É incrível o número de chances que vem dos cruzamentos proferidos pelo lateral direito. Do lado esquerdo, Cássio trouxe uma característica diferente, mas que funciona como um bom complemento. Técnico, demonstra a possibilidade de bons dribles e tramas. Além disso, tem velocidade para a recomposição. Gostei muito dele, principalmente no jogo diante do Ypiranga de Erechim.

Zaga instável

É uma dupla nova. Léo Kanu e Centeno não tinham jogado juntos. Os dois têm boas qualidades. Kanu é experiente e muito alto. Centeno vem num período crescente, tem força física e bom cabeceio. A questão é que, vi um Kanu perdendo algumas divididas e com dificuldades no mano a mano. O mesmo ocorreu com o Centeno. Tem boa técnica, mas por vezes é um pouco disperso. Passa por uma jornada concentrada o maior alinhamento dos dois. Já no arco, confesso que minha desconfiança com o goleiro Pablo diminuiu. Foi muito bem nas três partidas preparatórias desse início de ano.

Quadra ofensiva

O setor ofensivo tem se comportado muito bem. Cleiton seguiu com alta taxa de participação na criação. Marco Antônio continuou com a verticalidade e, a troca que incluiu Diego Carioca no lugar de Thiago Correa foi a melhor das notícias. Dotado de semelhante característica a de Marco Antônio, o Diego tem sido muito sanguíneo, além, é claro, de aumentar o poderio Índio nas individualidades. Preocupações nos dois flancos. O centroavante Brandão, que tem boa qualidade e sempre fez gols nos juniores, infelizmente não tem conseguido jogar. É verdade que teve influência no cavado pênalti diante do Ypiranga, mas tem sido pouco acionado. Precisa arrumar uma forma de segurar mais a zaga adversária e aparecer para tabelar sempre que a bola não chegar redonda.

Comportamento Índio

Na soma de todas as análises dos setores, reitero um que enxerguei em comum por todos eles: o comprometimento. Vejo um grupo muito fechado e uma solidariedade dos atletas. Esse fator sanguíneo, quando o assunto é futebol do interior, é bastante importante.

Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS