Jornais
FECHAR
  • Jornal NH
  • Diário de Canoas
  • Jornal de Gramado
  • Diário de Cachoeirinha
  • Correio de Gravataí
Grupo Sinos
Publicado em 02/01/2015 - 11h17
Última atualização em 02/01/2015 - 11h19

Felipão não deve ter um 2015 tranquilo à frente do Grêmio

Técnico tricolor não poderá cometer erros neste ano

André Heck - andré.heck@gruposinos.com.br

Ninguém duvida da força de Luiz Felipe Scolari no Grêmio. O técnico é ídolo da torcida gremista e, ao contrário do seu colega colorado, não precisa mais provar nada na carreira como treinador – nem mesmo após o 7 a 1 para a Alemanha. Mesmo assim, Felipão não deverá ter um 2015 tranquilo à frente da equipe tricolor. O técnico chegou ao clube no ano passado, após a Copa do Mundo, conseguiu melhorar o desempenho do time e fazer o Grêmio fechar o Brasileirão brigando por uma vaga na Libertadores. Ao final da temporada, entretanto, o clube perdeu jogadores importantes como Dudu, Zé Roberto, Alán Ruiz e Pará. Além disso, a direção gremista já avisou: o cinto está apertado. O meia Douglas chegou a pedido de Felipão, mas não há perspectiva de reforços de peso. Assim, a missão de Felipão é encontrar alternativas caseiras junto às categorias de base. E tudo isso em um período difícil para os gremistas, que não levantam uma taça desde a conquista do Gauchão de 2010.
 
Sem dinheiro e com alternativas escassas no plantel, Felipão apostará em jovens como o meia Lincoln e o atacante Erick para completar o grupo e, quem sabe, lapidar uma pedra preciosa ao longo da temporada. Mesmo com a moral em alta entre os torcedores e com poderes internos que extrapolam o vestiário, Felipão não poderá cometer erros em 2015. A mescla entre experiência e juventude precisa dar certo – não há outra alternativa. Caso tenha sucesso na temporada, os méritos serão seus. Masse os resultados não vierem, ele poderá perder a confiança do torcedor e o respaldo da direção. Os desafios são muitos. Para acalmar os ânimos na Arena, um título é fundamental. E o Gauchão está logo ali. Será a oportunidade de voltar a vencer e um “laboratório” para as competições nacionais.

Publicidade