Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | País Reforma da Previdência

Temer: tempo de contribuição para aposentadoria integral cairá para 40 anos

Presidente admitiu mudanças no projeto em entrevista ao SBT

Por Agencia Brasil
Publicado em: 18.04.2017 às 10:32 Última atualização: 18.04.2017 às 10:43

José Cruz/Agência Brasil
Presidente Michel Temer
O presidente Michel Temer confirmou nesta segunda-feira (17) que a proposta de reforma da Previdência feita pelo governo reduzirá de 49 para 40 anos tempo de contribuição para aposentadoria com salário integral. "Acabou aquela história de precisar 49 anos para poder se aposentar. [O tempo máximo de contribuição] caiu para 40 anos", disse Temer em entrevista ao telejornal SBT Brasil.

De acordo com a nova regra, explicada pelo presidente na entrevista, o trabalhador poderia se aposentar com 25 anos de contribuição, recebendo 70% do salário. A partir daí, haveria um aumento progressivo do valor da aposentadoria para cada ano trabalhado. Nos cinco anos seguintes, 1,5% a mais e, a partir dos 31 anos de contribuição, o trabalhador teria um aumento de 2% no valor da aposentadoria.

A possibilidade de mudança havia sido antecipada pelo presidente da Comissão Especial da Reforma da Previdência na Câmara dos Deputados, Carlos Marun (PMDB-MS). O deputado, no entanto, não tinha entrado em detalhes sobre o tamanho da redução no tempo de contribuição.

Idade mínima para mulheres

Temer admitiu que o governo poderá propor uma idade mínima para mulheres menor que 65 anos. "Não é improvável que nós tenhamos um tempo de contribuição menor para as mulheres", disse o presidente.

O presidente se reuniu com a bancada feminina da base aliada no final da tarde de ontem, junto com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, o relator da comissão da reforma, Arthur Maia (PPS-BA), Marun, e outros membros da equipe que vem participando das várias reuniões sobre o tema.

A idade mínima é, como disse o próprio Michel Temer, a "espinha dorsal" do texto da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287/16, que trata da reforma da Previdência. O governo, para aprovar o texto, vem cedendo, como nos cinco pontos anunciados por Maia no início de abril, e no tempo de contribuição. As mudanças, nas contas da área econômica do governo, vai tirar 200 bilhões de reais da capacidade de redução do déficit da Previdência.

"Pela área econômica, no projeto original haveria, no período de dez anos, uma redução no déficit de 800 bilhões de reais. Com essas negociações que foram feitas, acho que a redução cai para 600 bilhões. A pergunta que se faz é a seguinte: é melhor reduzir o déficit em 600 bilhões ou não fazer nada?", disse Temer.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.