Jornais
FECHAR
  • Jornal NH
  • Diário de Canoas
  • Jornal de Gramado
  • Diário de Cachoeirinha
  • Correio de Gravataí
Grupo Sinos
Publicado em 15/01/2015 - 11h14
Última atualização em 16/01/2015 - 10h27

Quartel deixará São Leopoldo em 2017

16º GAC AP será transferido para a cidade de Formosa, em Goiás

José Nunes - jose.nunes@gruposinos.com.br

Foto: Ivan de Andrade/GES
São Leopoldo –
Sediado no município desde 1937 o 16º Grupamento de Artilharia de Campanha Autopropulsado (16º GAC AP) “Grupo Visconde de São Leopoldo”, deverá ser transferido para a cidade de Formosa, em Goiás. A decisão foi divulgada no Boletim Especial do Exército, em 22 de dezembro do ano passado, atendendo a aprovação do Plano Estratégico do Exército 2016-2019. De acordo com a medida a unidade deverá estar sendo removida até 2017, quando passará a integrar o Forte Santa Bárbara e receberá a denominação de 16º Grupamento de Mísseis e Foguetes (16º GMF) “Grupo Visconde de São Leopoldo”.

De acordo com a notificação a proposta tem uma visão de futuro, sendo que até 2022 estará promovendo um processo de transformação do Exército Brasileiro com uma nova doutrina, com o emprego de produtos de defesa tecnologicamente avançados e profissionais altamente capacitados e motivados. Além do 16º GMF, o Forte Santa Bárbara irá abrigar um Centro de Instrução e um Centro de Logística destinado a capacitação e adestramento militar para o uso dos novos lançadores de foguetes Astros 2020.

De acordo com o comandante do 16º GAC AP, tenente-coronel de artilharia José Charbel Almair de Nader Bitencourt, a transferência se faz necessária par que seja formado mais um comando para operação dos novos lançadores. Subordinado a Artilharia Divisionária da 6ª Divisão de Exercito a unidade leopoldense faz parte de um plano estratégico que envolve uma série de mudanças até 2019, entre elas a própria extinção da 6ª Divisão. ''A partir de 2017 estaremos sob o comando do Forte Santa Bárbara. A partir de agora vamos estabelecer um cronograma que deve ser finalizado até 2017 com a transferência da unidade'', declara.

Segundo o tenente-coronel ao longo deste ano já começam a ser feitos alguns planejamentos, porém ele destaca que não existe nenhum estudo a respeito das atuais instalações da unidade. ''A certeza que temos é da transferência e a transformação para Grupo de Misseis e Foguetes, porém a história do 16º será mantida inclusive como Grupo Visconde de São Leopoldo. Em relação as atuais instalações não fomos informados de nada'', relata. Apesar disso o comandante não descarta a possibilidade do local sediar outra unidade do Exército Brasileiro.

Transferências e licenciamentos
Com um contingente de 395 homens, entre oficiais, sargentos, cabos e soldados, Charbel aponta que a destinação dos mesmos será a transferência junto com o 16º GAC AP para Formosa ou realocação em outra unidade dos militares de carreira e a licença para os cabos e soldados. ''A todos os militares de carreira será oferecida a oportunidade de escolha, eles que decidem se querem seguir com a unidade para Formosa, ou fazem a opção de transferência'', destaca.

Segundo o comandante, a decisão é estratégica no sentido de adestrar o material humano para o Exercito Brasileiro em caso de necessidades. ''Formosa tem o maior campo de instrução do Brasil'', relata. Segundo ele a transferência também atende a possibilidade rápida de deslocamento, uma vez que estará em uma posição central do país.

Em relação as viaturas ele aponta que algumas delas podem ser repassadas para o próprio Comando Militar do Sul. O CMS confirma a saída mas segundo a capitã Solange Moraes, no momento não existe nenhuma determinação a ser seguida, tanto em relação a destinação de viaturas, bem como a das instalações do 16º GAC AP. ''Não temos nada a informar no momento tudo ainda está sendo estudado'', declara.

Mesmo sem ser notificado a respeito da transferência, o prefeito Aníbal Moacir da Silva lamenta a saída da unidade responsável pela formação de diversos jovens do município e do Estado. ''O 16º GAC AP sempre teve um papel colaborativo com a cidade nas questões sociais, como por exemplo o pelotão esperança e em relação as enchentes que ocorreram no município. Agora é aguardar para buscar uma alternativa que seja eficácia'', avalia. 

Publicidade