Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. João Corrêa, 1017 - Centro - São Leopoldo/RS - CEP: 93010-363
Fones: (51) 3591.2000 - Fax: (51) 3591.2032

PUBLICIDADE
Comunidade

Família busca ajuda para recuperação de homem ferido após tentar salvar pato

Adilson Fabiano Vieira, 37 anos, ficou com sequelas irreversíveis após incidente em dezembro do ano passado
15/05/2018 10:41 15/05/2018 11:39

Reprodução/Facebook
Adilson Fabiano Vieira, 37 anos, ficou com sequelas irreversíveis após incidente em dezembro do ano passado
Há quase cinco meses Adilson Fabiano Vieira, 37 anos trava uma luta diária pela vida. O homem alegre, falante, amante do futebol e sempre disposto a ajudar hoje vive sobre uma cama hospitalar e celebra, silenciosamente, qualquer evolução em seu quadro clínico. Em 27 de dezembro do ano passado Vieira, a esposa e o filho faziam planos para o novo ano que se aproximava quando um pedido de ajuda para salvar um pato, que havia caído dentro de um poço mudou todo o planejamento. O que estava por vir, jamais fora imaginado pela família.

Ao entrar no poço do Serviço Municipal de Água e Esgotos (Semae), localizado na Rua Dom Feliciano, no bairro Rio dos Sinos, Vieira passou mal após inalar o forte cheiro que exalava debaixo da terra. Ao tentar voltar à superfície acabou desmaiando. Um vizinho, que acompanhava a situação pediu socorro. Um outro morador, Osvaldo Luiz Silva, 46 anos, tentou socorrer Vieira. Ele, no entanto, teria ficado tonto, caindo, também desacordado, antes de descer metade dos degraus necessários para chegar até onde estava Vieira. Os dois, segundo testemunhas teriam ficado no local por aproximadamente 20 minutos, até a chegada do Corpo de Bombeiros. Um dos soldados, depois de retirar Vieira também passou mal ao tentar voltar ao poço para buscar Silva. Socorridos pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) os três foram levados ao Hospital Centenário. Em estado mais grave, Vieira foi transferido para o Hospital Tacchini, em Bento Gonçalves. Já Silva ficou internado por alguns dias e recebeu alta. O bombeiro recebeu atendimento e foi liberado no mesmo dia.

Após dois meses na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital da Serra, Vieira apresentou melhoras significativas e foi transferido ao Hospital de Novo Hamburgo. Desde o início deste mês uma nova etapa do tratamento começou, por meio do Programa Melhor em Casa. Para receber Vieira novamente em casa, a família teve de se mudar da pequena casa em que vivia em São Leopoldo. Agora mora de aluguel no bairro Santo Afonso, em Novo Hamburgo. Com uma cama hospitalar cedida pelo Hospital Municipal de Novo Hamburgo e com colchão e aspirador comprados por meio da colaboração de amigos, Vieira recebe atendimento médico no conforto do lar.

“Ele não enxerga, mas escuta, tem alguns movimentos, se emociona. Aquele quadro totalmente vegetativo que os primeiros exames mostraram não está acontecendo. Ele está nos surpreendendo a cada dia”, comenta a cunhada de Vieira, a artesã Giliane Oliveira, 32 anos. Agora, segundo ela, para seguir com o tratamento adequado, a família pede ajuda. É necessário a compra de uma poltrona, no valor de R$800, além de água mineral e fraldas, tamanho G. Para arrecadar o valor necessário para a compra do móvel, familiares e amigos criaram uma vaquinha online, que pode ser acessada por meio do link . Doações de fraldas e galões de água podem ser tratadas pelo WhatsApp com Giliane pelo telefone 9.9262.3556

Poço tem seis metros de profundidade  

O local onde houve o incidente é, segundo o Semae, uma Elevatória de Bombeamento de Esgoto, em que os efluentes são armazenados para serem bombeados às respectivas Estações de Tratamento, no caso desta, especificamente, à da Vicentina. O poço tem seis metros de profundidade, sendo seu acesso elevado do chão a uma altura de aproximadamente um metro. Em resposta enviada na época pelo Assessoria de Imprensa, o Semae salientou que o local possui acesso restrito com cerca e gradil, e que o poço é protegido por tampa, que só é removida no momento das vistorias periódicas realizadas pela equipe técnica.

Já foi notícia 

Em sua edição do dia 3 de janeiro o Jornal VS noticiou o incidente que quase terminou na morte dos dois vizinhos. Na data do ocorrido um socorrista do Samu que auxiliou no atendimento às vítimas disse que em casos de espaços confinados, como o poço, só quem deve entrar são pessoas com treinamento para tal função, dado o pânico que ela pode causar, e com equipamento de respiração autônoma. Ele explicou que dentro de espaço confinado se tem uma diminuição de oxigênio devido a vários fatores químicos e físicos o que pode causar tontura por hipoxia (falta de oxigênio) e desmaios.



Jornal VS
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS