Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. João Corrêa, 1017 - Centro - São Leopoldo/RS - CEP: 93010-363
Fones: (51) 3591.2000 - Fax: (51) 3591.2032

PUBLICIDADE
BAH!rulho
Lançamento

A Filosofia das Canções é o primeiro disco solo de Fredi Bessa

Trabalho do guitarrista e compositor leopoldense chegou nesta sexta-feira (12) às plataformas de streaming
12/04/2019 17:16

-

Foto por: Vergilio Lopes/Divulgação
Descrição da foto: Fredi Bessa está divulgando seu primeiro álbum em carreira solo
O guitarrista e compositor leopoldense Fredi Bessa está lançando seu primeiro disco solo. A Filosofia das Canções chegou às plataformas de streaming nesta sexta-feira (12/4). O show de lançamento está marcado para o dia 2 de maio, no Espaço Cultural 512, na Cidade Baixa, em Porto Alegre. A apresentação contará com a participação de artistas como Valeria (que gravou uma música no disco), André Neto (que assina uma das canções com Fredi), Cecé Passaro, Luisa Gonçalves e Cíntia Rodrigues. Há mais de dez anos na cena gaúcha, o músico já atuou como guitarrista, compositor e produtor em projetos como as bandas de rock Lítera e Sargento Malagueta, e no Grupo Aquarela, voltado ao público infantil. O álbum A Filosofia das Canções pode ser baixado gratuitamente no site oficial de Fredi Bessa. O Bah!rulho conversou com ele pra saber um pouco mais sobre essa nova fase de sua carreira. Então, dá play no disco ali embaixo e confere o papo. Se liga aí:

Você já integrou algumas bandas, mas como é a experiência de lançar um disco de trabalho solo?
Continuo trabalhando com algumas bandas e a experiência, pra mim, tem uma diferença fundamental. Lançar um trabalho solo implica, no meu caso, em buscar muito mais coragem, em encarar com muito mais intensidade a minha insegurança. Com uma banda, a gente divide o palco, divide as atenções, as responsabilidades, e isso é maravilhoso. Mas no projeto solo, a gente assina com nosso nome a autoria da obra.

Ficou satisfeito com o resultado das gravações?
Fiquei. Foi uma produção de baixíssimo orçamento, ouvindo o disco consigo imaginar vários detalhes, arranjos, melodias que poderiam fazer parte se tivéssemos mais tempo e grana. Mas dentro das possibilidades, acho que eu e o Pedro Matz, que assina a produção junto comigo, fizemos um bom trabalho.

Quais as principais influências musicais para esse trabalho?
São influências captadas durante a vida inteira. São discos, filmes, histórias que ouvi na infância, coisas que aprendi na adolescência, baques que levei na vida adulta. Todas essas experiências foram e continuam sendo interiorizadas, e fazendo parte de quem eu sou. Inevitavelmente, tudo isso vai ajudar a construir a composição.

Você cita com temas das músicas questionamentos filosóficos e situações do cotidiano como cuidar dos filhos, pagar as contas e dividir a vida com outra pessoa. Como é produzir música em meio à rotina do dia a dia?
A rotina diária não é leve. Eu e minha companheira, a Aline, somos responsáveis por duas crianças: nosso filho Bernardo, de 7 anos, e minha filha Alice, de 10. Isso exige bastante tempo e esforço. Por outro lado, essas experiências acabam se transformando em objeto do trabalho de composição. Fazem parte dela. Isso, aliado ao fato de que meu ofício, o meio pelo qual pago os boletos, é através da música, ajuda a conseguir unir esses dois aspectos da minha vida, a rotina do dia a dia e a produção de música.

O que você espera alcançar com esse disco?
Acho que essa é a pergunta com a resposta mais incerta. O que eu gostaria é que as pessoas escutassem minha música, gostassem delas, se inspirassem com elas, se emocionassem, fossem nos shows, de modo que compor, produzir e cantar minhas próprias músicas pudesse ser o principal meio pelo qual eu pagaria os boletos. Agora, se eu espero alcançar isso com esse disco? Racionalmente, ainda não. Acho que é um processo uma construção de obra, de público, de tudo. E esse disco é mais um passo, talvez um grande passo, nessa construção. 

Jornal VS

BAH!rulho

por André Heck
andre.heck@gruposinos.com.br

Rock, pop, alternativo, hip hop... enfim, música. Essa é proposta do Bah!rulho, editado pelo jornalista André Heck. Um apanhado geral do que rola nos palcos e discos mundo afora, com informação e opinião, tudo em volume muito alto.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3553.2020 / 51 992026770
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS