Publicidade
Notícias | País Cautela sanitária

China vai inspecionar frigoríficos brasileiros por vídeo

Governo chinês passa a importar carne de outros países devido à peste que atinge rebanhos

Por Estadão Conteúdo
Última atualização: 18.07.2019 às 12:09
Foto por: Agência Brasil/Arquivo
Descrição da foto: Frigorificos brasileiros serão inspecionados por meio de videoconferência
A China inspecionará quatro frigoríficos brasileiros de aves e suínos na próxima sexta-feira, 19, conforme antecipou o Estadão/Broadcast. A inspeção será feita por meio de videoconferência - funcionários do Ministério da Agricultura brasileiro farão transmissões, a partir das fábricas, para a China. 
O Ministério da Agricultura enviou para a China uma lista de 30 unidades frigoríficas para serem habilitadas a exportar para o país - entre unidades de abate de bovinos, suínos e frangos. 
A China escolheu uma dessas unidades e as associações brasileiras ligadas ao setor de proteína animal, outras três. Espera-se que a resposta do país asiático - em forma de liberação para exportação ou não - seja rápida. A China está ampliando as importações de carnes por causa da peste suína africana, que vem assolando seus plantéis.
 
O que diz o Brasil

Para a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, a inspeção por videoconferência é bom sinal. "A gente pode considerar sinal de boa vontade dos chineses e uma recuperação da credibilidade do Brasil."

Segundo ela, o protocolo entre Brasil e China estabelece inspeção in loco nas plantas, mas o país asiático abriu mão dessa exigência. Esta será a primeira vez que uma inspeção do tipo ocorre por videoconferência. Segundo a ministra, os chineses querem acelerar a liberação das fábricas por causa da peste suína africana.

 

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.