Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. João Corrêa, 1017 - Centro - São Leopoldo/RS - CEP: 93010-363
Fones: (51) 3591.2000 - Fax: (51) 3591.2032

PUBLICIDADE
Prepare o guarda-chuva

Com influência do El Niño, outono será mais chuvoso este ano

Segundo a MetSul, chuva deve continuar pelos próximos 45 dias
14/05/2019 03:00 14/05/2019 07:17

-

Foto por: Juarez Machado/ GES
Descrição da foto: Desde o início da estação até ontem, já choveu 387,6 milímetros, esse acumulado é mais da metade do esperado
Desde 21 de março, um dia após o início oficial do outono, até esta segunda-feira (13), a Estação Meteorológica de superfície de Campo Bom, operada pelo Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), registrou 387,6 milímetros de chuva. Segundo a meteorologista da MetSul Meteorologia, Estael Sias, a estação serve como referência e mede os eventos de chuva e oscilação de temperatura da região. O total registrado até agora, em Campo Bom, representa mais da metade do índice de chuvas registrado entre março e junho de 2017, quando o total foi de 626,8 milímetros na cidade.

De acordo com Estael, a chuva deve continuar pelos próximos 45 dias e deve chegar perto, ou até mesmo ultrapassar, a marca de dois anos atrás. "O prognóstico divulgado pela MetSul já indicava o outono de 2019 mais úmido e chuvoso na Grande Porto Alegre como consequência da influência do El Niño", justifica a meteorologista. Estael explica que o El Niño segue atuando e influenciando as condições meteorológicas em todo o Estado. "Com o Pacífico mais quente que o normal, as frentes frias e ciclones têm atuado com mais intensidade, favorecendo episódios de chuva forte e períodos de chuva mais persistente", detalha.

Nos meses de outono de 2017, houve o registro de precipitação acima da média em maio. Dois fatores podem explicar essa ocorrência, segundo Estael. Naquele ano, o La Niña só começou a agir entre agosto e setembro. Havia, portanto, neutralidade de ambos os fenômenos climáticos. "Um centro de baixa pressão muito intenso provocou boa parte da chuva do mês de maio", lembra Estael.

Entenda o El Niño

Professora dos cursos de Engenharia da Universidade Feevale, Angela Moura destaca que o aquecimento que o El Niño provoca no Pacífico pode elevar a temperatura da água em até cinco graus. Essa variação interfere no regime de chuvas do planeta. “Por exemplo, aqui no sul da América do Sul acontece um aumento das precipitações. No Sudeste do Brasil, aumenta a temperatura média, e no Norte e Nordeste pode causar secas, principalmente no sertão nordestino”, compara.

Essas mudanças climáticas acontecem porque o deslocamento de massas de ar sobre a superfície do planeta é influenciado pelas temperaturas dos oceanos. Na área do Pacífico existem regiões (mais quentes) em que essas massas de ar sobem e formam nuvens e outras regiões em que as massas de ar mais frias descem para a superfície. “Essa subida e descida das massas de ar é chamada de Célula de Circulação de Walker. Sem El Niño, a parte ascendente (com formação de nuvens) fica sobre a Austrália e a parte descendente sobre a costa Oeste da América do Sul. Em condições de El Niño, esta célula é deslocada para leste. Esse aumento das precipitações acontece, normalmente, entre maio e julho e, depois, na primavera”, pontua.

Plano de contingência

Foto por: Defesa Civil/Divulgação
Descrição da foto: Bairro Santo Afonso é um dos que mais sofre com os efeitos da chuvarada
A Prefeitura informa que Novo Hamburgo possui planejamento para atuar em situações de emergência e de calamidade pública provocadas por intempéries. A atuação ocorre por meio do Plano de Contingência elaborado pela Defesa Civil em 2017. "Este documento possui orientações para os casos de emergência, com apoio das secretarias, bombeiros, outros órgãos públicos estaduais e federais como também a sociedade civil", destaca a Prefeitura, em nota.

Além disso, a Defesa Civil monitora diariamente as previsões meteorológicas, acompanhando as áreas de risco, seja em áreas de inundação, seja em áreas de movimentação de massa. O órgão possui um estoque com cerca de 15 mil metros quadrados de lona para distribuir em caso de necessidade. O monitoramento do nível do Rio dos Sinos é constante. Em caso de necessidade, a população pode entrar em contato com a Defesa Civil nos telefones 3587-7863, 98013-9178, 99964-3889, 98058-9979 e 98682-9858.

Análise do contexto

Questionada se o Município está preparado para receber um volume tão alto de chuva, a líder de projetos nas áreas de riscos e desastres socioambientais da Universidade Feevale, professora Danielle Paula Martins, destaca que existe um despreparo nacional. "Isso vem de um processo de desenvolvimento das cidades que não contempla os recursos naturais, principalmente os arroios e rios", diz. Danielle ressalta que o problema tem se agravado devido aos episódios de mudanças climáticas, como chuvas muito fortes em períodos curtos. "Somos mais dentro das cidades. Então temos episódios de grandes chuvas e vemos os desastres. Não temos a cultua da prevenção dos desastres no Brasil", comenta.

Foto por: Juarez Machado/GES
Descrição da foto: No ultimo temporal, dezenas de árvores caíram em Novo Hamburgo

A professora da Feevale observa que diante de altos índices de chuvas, o comum é não haver uma prevenção. "A gente gerencia o desastre, mas não o previne. Trata-se de gestão de riscos. Se a pessoa mora em um local mais propenso a alagamento, ela precisa entender o que significa uma chuva de 50 milímetros no local onde mora", argumenta. Danielle diz que é necessário um esforço conjunto, com medidas estruturais, como obras para melhor escoamento da água.

"Mas também precisamos de projetos que visem o armazenamento da água, a retenção da água da chuva. Só escoamento, vira enxurrada", salienta. Além disso, a professora relata que vemos, atualmente, um grande acúmulo de lixo, o que potencializa o problema dos alagamentos. "Precisamos fazer gestão de resíduos. Pensar em um contexto de bacia hidrográfica", sugere.

Previsão do tempo

HOJE
Chuva forte com pouca variação térmica
Temperatura entre 16 e 20 graus

QUARTA-FEIRA
Sol aparece com chuvas isoladas
Temperatura entre 15 e 22 graus

QUINTA-FEIRA
O sol aparece e o tempo fica aberto e firme
Temperatura entre 11 e 24 graus

SEXTA-FEIRA
Ensolarada
Temperatura entre 9 e 25 graus

Jornal VS
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3553.2020 / 51 992026770
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS