Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. João Corrêa, 1017 - Centro - São Leopoldo/RS - CEP: 93010-363
Fones: (51) 3591.2000 - Fax: (51) 3591.2032

PUBLICIDADE
Balanço

Em quatro meses foram 36 homicídios na região

Número de mortes violentas nas cinco cidades é 12,5% maior que o registrado no ano passado
15/05/2019 03:00 15/05/2019 07:52

-

Foto por: Diego da Rosa/GES
Descrição da foto: Número de mortes violentas nas cinco cidades é 12,5% maior que o registrado no ano passado
Nos quatro primeiros meses de 2019, pelo menos 36 pessoas foram assassinadas nas cinco cidades de cobertura do Jornal VS. O número é 12,5% maior que o total de mortes violentas registradas de janeiro a abril do ano passado em São Leopoldo, Sapucaia do Sul, Esteio, Capela de Santana e Portão. Apesar disso, Esteio e Sapucaia do Sul foram as únicas que apresentaram redução nos casos, resultando, juntas, na queda em 35,7% no número de homicídios, que passou de 14 para nove no somatório das duas cidades. São Leopoldo apresentou alta de 20%, com três homicídios a mais em relação ao ano passado, indo de 15 para 18 mortes. A surpresa, no entanto, ficou com Capela de Santana e Portão, cidades que dispararam nos registros de mortes violentas neste ano. Capela depois de 18 meses sem ocorrências de homicídios contabilizou duas mortes em abril. Já Portão, teve alta de 133% passando de três vítimas em 2018 para sete, em 2019.

Titular das delegacias de polícia de Portão e Capela de Santana, o delegado Ayrton Figueiredo Martins Júnior destaca que a maioria dos fatos ocorridos nos dois municípios foi relacionada ao tráfico de drogas ou com disputas entre pessoas com antecedentes criminais que variavam entre o tráfico de entorpecentes e roubos. Ele salienta ainda que grande parte deles já foram elucidados. O delegado frisa também que o primeiro caso de morte violenta registrado no ano passado em Portão é tratado como feminicídio. "Feminicídio se trata de violência familiar, cujas causas estão relacionadas a problemas que excedem ao trabalho policial, mas nossa missão é seu esclarecimento e instrução para o poder judiciário", pontua.

Queda de vítimas no Estado

Os indicadores criminais de abril e os números comparativos dos quatro primeiros meses do ano foram divulgados pela Secretaria Estadual da Segurança Pública (SSP) segunda-feira. No Estado, segundo levantamento da Secretaria, o quadrimestre fechou com queda de 26,7% entre as vítimas de homicídio, com 241 mortes a menos (902 em 2018 e 661 neste ano). Só em abril, o indicador mostra redução de 66 óbitos (-30,4%), passando de 217 para 151 na comparação entre 2019 e o ano anterior. Outro delito com acentuada redução foi o latrocínio (roubo seguido de morte). No Estado, a comparação entre os primeiros quatro meses de 2018 e 2019 mostra queda de 28,6%, passando de 35 casos para 25, o menor número desde 2009, quando houve 22 registros.

Trabalho integrado contra o tráfico

Em São Leopoldo, depois de um 2017 com 51 homicídios e dois latrocínios (roubo seguido de morte) em apenas quatro meses, o ano passado havia sido de celebração dos números na delegacia especializada, que contabilizava redução de mais de 70% no total de assassinatos no período. Para manter os registros em níveis aceitáveis com a realidade da região, o trabalho integrado entre as forças policiais e o foco no combate ao tráfico de drogas foi fundamental, afirma o titular da Delegacia de Polícia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Ivair Matos Santos. "O trabalho forte contra o tráfico acaba refletindo nos números de homicídios, já que a maioria das vítimas na cidade tem envolvimento com este tipo de crime. As operações e ações integradas que vêm sendo realizadas de maneira concentrada no combate ao tráfico acabam reprimindo a investida de grupos criminosos, contribuindo para uma redução grande no ano passado em relação a 2017 e para que os números se mantivessem baixos no início deste ano", afirma o delegado.

Na cidade, o primeiro homicídio de 2019 foi registrado no dia 5 de janeiro, no bairro Santos Dumont. A vítima, identificada como Rafael Dutra Cardoso, 29 anos, morreu depois de ser atingida por, pelo menos, oito disparos de arma de fogo na Rua Marco Polo. Cardoso, conforme a polícia possuía antecedentes por roubos e furtos.

Desde fevereiro sem mortes em Esteio

Em Esteio, a redução foi de 50% no número de homicídios no quadrimestre de 2019 em comparação com o mesmo período do ano passado. Neste ano, o último registro de morte violenta na cidade foi feito em 20 de fevereiro. Titular da Delegacia de Polícia de Esteio, o delegado André Sperotto destaca o trabalho focado na desarticulação de grupos criminosos e na integração das polícias para justificar a redução no município. "O trabalho da Polícia Civil na cidade de Esteio é realizado de forma integrada com os demais órgãos da segurança pública. Principalmente, na troca de informações e operações em conjunto. Além disso, a Polícia Civil tem atuado com investigação qualificada no combate ao crime organizado, responsável pelo tráfico de drogas, e consequentemente pelos crimes relacionados a este, como roubos e homicídios", pontua. Diretor da 2a Delegacia de Polícia Regional Metropolitana (DPRM) a qual abrange, dentre outros municípios, também Esteio e Sapucaia do Sul, o delegado Mário Souza diz que o combate aos homicídios é a prioridade nas cidades que integram a regional.

Jornal VS
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3553.2020 / 51 992026770
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS