Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. João Corrêa, 1017 - Centro - São Leopoldo/RS - CEP: 93010-363
Fones: (51) 3591.2000 - Fax: (51) 3591.2032

PUBLICIDADE
Três Passos

Quarto dia de julgamento do Caso Bernardo tem fala da defesa e da acusação dos réus

O julgamento pode durar cinco dias
14/03/2019 22:04

-

Foto por: Márcio Daudt/TJRS
Descrição da foto: Evandro negou qualquer participação no crime
O julgamento do Caso Bernardo Boldrini entrou em seu quarto dia. Nesta quinta-feira (14), a madrasta do menino, Graciele, a amiga dela, Edelvânia, e o irmão de Edelvânia, Evandro, deram seus depoimentos. Na última quarta-feira (13), Boldrini havia falado. Falaram ainda os promotores de Justiça e devem ser ouvidos todos os advogados dos réus.

A enfermeira Graciele Ugulini, madrasta do menino Bernardo Boldrini, disse que a morte do garoto, em abril de 2014, foi acidental e não premeditada. Segundo a madrasta, Bernardo teria morrido pela ingestão excessiva de remédios. No depoimento, Graciele também inocentou o pai de Bernardo, o médico Leandro Boldrini. "Pensei em contar para ele muitas vezes. Mas tive medo da reação", disse.

Boldrini, Graciele, uma amiga dela, Edelvânia Wirganovicz, e o irmão de Edelvânia, Evandro Wirganovicz, são acusados pela morte do garoto de 11 anos, em 4 de abril de 2014. O corpo de Bernardo foi achado dez dias depois em uma cova em Frederico Westphalen, a 430 quilômetros de Porto Alegre.

O pai de Bernardo depôs no dia anterior e negou participação no crime. "Eu digo: quem matou foi a Graciele e a Edelvânia", destacou durante a sessão. A madrasta contou que Bernardo pediu para ir com ela a Frederico Westphalen e tomou em casa um remédio para enjoo. Graciele disse que o menino estava agitado e ela, então, deu ritalina para ele, mas a criança continuou inquieta. Segundo contou, ela jogou a bolsa no banco de trás, onde Bernardo estava, e mandou o garoto tomar mais remédio, mas não viu o quanto Bernardo ingeriu.

Em seu depoimento, ela disse que, ao chegar a Frederico Westphalen, encontrou-se com a amiga Edelvânia e trocaram de carro. Nesse momento, contou, Bernardo estava imóvel no banco de trás, babando e sem pulso. Ela, então, viu que faltavam "cinco ou seis remédios". Graciele negou que tenha dado injeção letal no menino.

Emocionada, a madrasta afirmou à juíza que Edelvânia queria levar o garoto, já desacordado, ao hospital, mas ela preferiu esconder o corpo. "Eu pensava: o que as pessoas vão pensar? Vão me prender. Vou ficar longe da minha filha", disse a enfermeira. Bernardo, então, teria sido enterrado em uma cova aberta em meio à mata.


Jornal VS
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS