Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. João Corrêa, 1017 - Centro - São Leopoldo/RS - CEP: 93010-363
Fones: (51) 3591.2000 - Fax: (51) 3591.2032

PUBLICIDADE
Viver com Saúde

Saiba quais são os principais perigos dentro de casa e como agir em caso de acidente

Equipe do Samu Novo Hamburgo traz dicas sobre a segurança das crianças
28/01/2019 03:00 30/01/2019 13:34

Foto por: Divulgação
Descrição da foto: EM EQUIPE: Jocélia, Ribeiro e Catia trazem dicas à comunidade
As férias escolares seguem por mais alguns dias e, com a criançada mais tempo em casa, é preciso atenção para riscos escondidos até nas brincadeiras. Segundo o Ministério da Saúde, a cada ano são registradas 6 mil mortes e mais de 140 mil internações na rede pública de saúde de crianças abaixo dos 14 anos vítimas de acidente doméstico. A ONG Criança Segura cita que estas ocorrências são a principal causa de morte dos pequenos entre 1 e 14 anos no País.

Atenção

Ainda conforme o Ministério da Saúde, acidentes com queimaduras representam 16% das internações de crianças na rede hospitalar. A enfermeira Catia Zibetti e os técnicos de enfermagem Adenildo Ribeiro e Jocélia Vieira, do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) Novo Hamburgo, reforçam que na cozinha é preciso que pais e responsáveis não deixem panelas no fogão ao alcance das crianças e tirem eletrônicos da tomada quando não estiverem em uso. Os socorristas trazem mais dicas de cuidado em ocorrências comuns entre as crianças no quadro a seguir.


Nada de prejudicar o atendimento da equipe!

Uma das brincadeiras entre crianças e que não tem graça nenhuma é o trote para o 192. "Embora seja notória a diminuição de 43% nos trotes em 2018, eles ainda acontecem. Ocupar uma ambulância a impossibilita de receber outra ocorrência de gravidade real, ou seja, pode custar a vida de alguém. Além dos gastos públicos com o deslocamento, coloca em risco a vida dos profissionais que encaram o trânsito e as condições gerais a que se expõem, além de ser crime previsto no artigo 266 do Código Penal, o que pode gerar de um a três anos de prisão, além de multa", destaca Ribeiro.

As ligações desnecessárias também entram na lista. "Já recebemos a informação de uma senhora em surto, deslocamos até a residência e lá verificamos que ela tinha tido apenas um sonho ruim. Esse tipo de ligação atrapalha em muito o atendimento", cita Jocélia.

Sabe o que prejudica também? Não liberar a passagem da ambulância. "No atendimento, tempo é vida. Imagine em dias muito quentes aquela vítima no asfalto quente com uma fratura ou alguém à espera do socorro na chuva, com dor. Pense que poderia ser um familiar em parada cardíaca ou com um sangramento que requer intervenção rápida", alerta Catia.

Ocorrências mais comuns em casa

Queda de altura

Acalme a vítima mantendo, na medida do possível, a coluna estabilizada (sem se mexer) e chame o socorro pelo número 192. Há a lesão primária, ocasionada no momento da ocorrência, e as secundárias, provocadas por movimentos inadequados logo após a queda.

Queimaduras no forno/fogão

A principal recomendação ao sofrer uma queimadura por calor é colocar o local do ferimento em água corrente e temperatura ambiente por cinco minutos. Em seguida, o ideal é procurar uma unidade de saúde. Nada de aplicar pasta de dentes ou clara de ovo no ferimento.

Ingestão de produto de limpeza ou tóxico

Ligue imediatamente para o Samu no 192 e informe a idade da criança, o produto ingerido, a quantidade, há quanto tempo, se foi em jejum ou após uma refeição. Se estiver próximo ao hospital, a recomendação é levá-la rapidamente. Se a criança estiver inconsciente, mas respirando, coloque-a de lado para evitar que engasgue, caso vomite. Se estiver inconsciente e sem respirar, iniciar uma massagem cardíaca (peça orientação ao atendente). Não provoque vômito ou dê alguma comida ou bebida. Mantenha o rótulo do produto ingerido e mostre aos atendentes. É possível também pedir orientação específica ao Centro de Informações Toxicológicas no 0800 780 200.

Corte com faca ou caco de vidro

Lave bem o local com água e sabão, preferencialmente neutro, ou soro fisiológico, para diminuir os riscos de infecção. Depois pressione o local com uma toalha limpa para estancar o sangramento, que deve parar em até cinco minutos. Caso contrário, busque um médico, comprimindo o local. Áreas como supercílios e couro cabeludo costumam sangrar bastante, mas nem sempre isso é sinônimo de corte muito profundo. Recorra a um especialista se você observar um caco de vidro ou outro material no local do corte. Atenção: nada de tentar retirá-lo por conta própria.

Criança engole um objeto ou enfia no ouvido ou nariz

Não ofereça alimentos nem force o vômito. Também não tente remover um objeto que esteja parado em algum ponto da boca, nariz ou ouvido da criança. Se a criança puder respirar, busque atendimento imediato. Em caso de sufocamento, ligue para o 192, coloque a criança no colo, de barriga para baixo, e, com a cabeça em um nível mais baixo do que o quadril, pressione repetidamente as costas dela para aumentar a pressão na caixa torácica e forçar o objeto a sair da garganta.

Suspeita de osso quebrado

A maioria das fraturas está relacionada a quedas no ambiente doméstico, afetando em maior proporção os membros superiores, como clavícula, punho, antebraço e cotovelo. A primeira providência é a de imobilizar o membro fraturado, na posição que está, pois reduz a dor e o inchaço e evita que a lesão aumente. Na sequência, busque o atendimento no hospital.

Choque elétrico (em tensão residencial)

Desligue imediatamente a fonte de energia, sem tocar na vítima. Use um material não condutor e seco, como madeira, plástico ou borracha para afastá-la da fonte elétrica. Na sequência, ligue para o 192 e observe a pessoa: se ela estiver consciente, acalme-a até a chegada da ambulância; se não, mas respirando, deite-a de lado. Se estiver inconsciente e sem respirar peça ao atendente da ligação orientação para fazer uma massagem cardíaca.

Como fazer uma ligação para o Samu?

Ao ligar para o 192 no Samu, o solicitante é atendido por um técnico auxiliar em regulação médica (Tarm), que colhe dados de identificação e localização do paciente.

A ligação é transferida para um médico regulador que avalia qual a gravidade da situação e define o atendimento necessário.

Quando é necessário o encaminhamento, uma equipe básica ou avançada vai ao local com o apoio do rádio operador (ROP), que monitora a localização das unidades móveis do Samu.

No local, a equipe de socorro informa ao médico regulador a situação da vítima que então define se há necessidade de encaminhar para uma unidade de saúde, como a Emergência do hospital, Unidade de Pronto Atendimento (UPA), Unidade Básica de Atendimento Médico (Ubam) ou Pronto Atendimento (PA), monitorando o atendimento durante o trajeto.

Após o adequado procedimento, o médico regulador poderá considerar o atendimento encerrado.

O que eu preciso informar ao atendente na ligação?

Passar com clareza o endereço: cidade, rua, bairro e, de preferência, um ponto de referência.

Em um acidente de trânsito, verificar a quantidade de vítimas, consciência delas e se alguma está presa às ferragens.

Se o atendimento for em casa, dizer se a pessoa está respirando, falando e responder com calma às perguntas feitas pelo atendente. É necessário ouvir até o final até que seja dito que a ambulância está à caminho.

Quando ligar para o Samu?

Problemas cardiorrespiratórios;

Acidentes/traumas, como os de trânsito;

Ferimento por arma de fogo ou arma branca (como uma faca);

Intoxicação ou envenenamento;

Queimaduras graves;

Acidentes com produtos perigosos;

Apoio à ocorrência policial de maus-tratos;

Parto em que haja risco de morte da mãe ou do bebê;

Tentativas de suicídio;

Afogamento;

Choque elétrico;

Desabamento ou soterramento;

Suspeita de acidente vascular cerebral (AVC);

Crise convulsiva;

Crises de pressão alta ou dor no peito com início súbito.

Jornal VS
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS