Publicidade
Botão de Assistente virtual
Bom Exemplo Mão de Amor

Grupo se reúne para produzir marmitas e distribuir a pessoas em situação de rua

Da oração para ação, casais católicos levam comida, roupas e uma palavra amiga em Novo Hamburgo e São Leopoldo

Por Débora Ertel
Publicado em: 10.08.2020 às 05:00

Os voluntários também oferecem palavra de motivação e fazem uma oração com acolhidos Foto: Fotos Divulgação
Motivados por um desejo que brotou no coração depois da oração do Terço da Misericórdia e da adoração ao Santíssimo Sacramento, quatro casais da Paróquia Sagrada Família, do bairro Rincão, em Novo Hamburgo, decidiram ir ao encontro de quem mais precisa. O grupo arregaçou as mangas e literalmente colocou em prática o versículo bíblico de São Tiago, de que fé sem obras é morta.

Com o apoio da comunidade e do pároco Geraldo Elias Couto, desde o dia 15 de abril eles produzem marmitas que são doadas a pessoas em situação de rua. Inicialmente, os voluntários distribuíam as doações em Novo Hamburgo. No entanto, como no Município há outras iniciativas semelhantes, decidiram estender a ajuda até a cidade vizinha de São Leopoldo. Assim nasceu o grupo Mãos de Amor.

Logo, perceberam que além de comida, os moradores de rua precisavam de outras coisas como roupas, cobertores, calçados, tapetes, colchões e um café quente para amenizar as baixas temperaturas das noites rigorosas de inverno. Mais uma vez, os paroquianos foram acionados e não faltaram doações para atender as necessidades de quem mais precisa.

Maurício Hennemann, 51 anos, ao lado da esposa Marilene Hennmann, 54, é um dos voluntários. Ele conta que há sete anos o grupo reza o terço junto e diante da confusão e do medo provocados pela pandemia, decidiram fazer a ação. Assim, todas as terças-feiras, depois das orações, dois casais preparam as marmitas, sendo que cada família é responsável pela produção de 15 refeições. Na semana seguinte, as marmitas são preparadas pelos outros dois casais.

No cardápio, massa, arroz, feijão e carne, todos alimentos doados pela comunidade. "Temos notado que muitos estão na rua porque perderam o emprego e não conseguem mais pagar aluguel", conta Hennemann. De acordo com ele, todos os cuidados possíveis, como o uso de luvas, máscaras e distanciamento mínimo são tomados.

De acordo com ele, nem sempre a equipe encontra a pessoa atendida da semana passada no mesmo local, pois os moradores de rua costumam trocar de pouso com frequência. Doações na paróquia de terça a sexta-feira, das 8 horas às 11h30 e das 13 horas às 17h30, na Rua Alemanha, 125. Contato pelo (51) 3556-3521.

Corpo e espírito

O Mãos de Amor trabalha com três objetivos. O primeiro deles é a alimentação, garantindo que naquele dia todos sejam saciados, recebam água e café. O segundo, é garantir que todos estejam aquecidos, por isso da doação de roupas e cobertores. O terceiro, segundo Hennemann, não é material, mas espiritual. "Durante a conversa com eles, onde partilham as suas vidas, sempre convidamos para um oração. Alguns já pedem para a gente fazer", relata.

O grupo percebeu que 90% dos moradores de rua são homens e que, de uma semana para outra, acabam ficando sem seus pertences, seja porque eles perdem, são furtados ou até vendidos. Além da família Hennemann, são voluntários da ação Claudio Weirich Filho e Maria Weirich, Fábio e Juliana Nonnemacher e Jorge e Isabel Ferreira.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.