Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Especial Coronavírus VACINA DO BUTANTAN

Anvisa aprova Coronavac para a faixa de 6 a 17 anos

Formulação usada na população pediátrica deve ser a mesma da usada em adultos

Por Por Júlia Marques/Estadão Conteúdo
Publicado em: 20.01.2022 às 13:20 Última atualização: 21.01.2022 às 15:49

A área técnica da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou o uso da Coronavac em crianças e adolescentes de 6 a 17 anos que não sejam imunocomprometidos (pessoas com baixa imunidade). O entendimento foi corroborado pelos diretores, que votaram a favor da aprovação do imunizante nesta quinta-feira (20).

A avaliação da área técnica da agência é para a aplicação de duas doses com intervalo de 28 dias. A formulação usada na população pediátrica deve ser a mesma da usada em adultos.

Anvisa aprova Coronavac para a faixa de 6 a 17 anos
Anvisa aprova Coronavac para a faixa de 6 a 17 anos Foto: Geovana Albuquerque/Agência Saúde DF

Até então, a única vacina aprovada no Brasil para a população pediátrica era o imunizante da Pfizer, que já começou a ser aplicado em crianças de 5 a 11 anos.

O Instituto Butantan pedia a aprovação da Coronavac para a faixa etária de 3 a 17 anos. A análise técnica da Anvisa, no entanto, considerou que os dados apresentados até agora são robustos apenas para a faixa etária a partir de 6 anos.

A avaliação levou em conta, principalmente, um estudo de efetividade realizado no Chile com crianças que receberam a Coronavac. Esse estudo com quase 2 milhões de crianças e adolescentes de 6 a 16 anos que receberam Coronavac mostrou que, entre o grupo totalmente imunizado, a efetividade da vacina foi de 74% para prevenir a infecção e doença sintomática.

A taxa sobe para 90% para prevenção de hospitalização e para 100% para prevenir admissão em Unidade de Terapia Intensiva (UTI), informou a diretora da Anvisa Meiruze Freitas.

"Vemos um indicativo importantíssimo do perfil de desempenho da vacina no que diz respeito a casos sintomáticos e também de hospitalização em crianças", afirmou o gerente-geral de medicamentos e produtos biológicos da Anvisa, Gustavo Mendes Lima Santos. Segundo Mendes, "a totalidade das evidências científicas disponíveis sugere que há benefícios e segurança para a utilização da vacina na população pediátrica".

A avaliação técnica da Anvisa indica que a Coronavac não deverá ser aplicada em crianças imunocomprometidas (como aquelas em tratamento para câncer) porque ainda faltam dados sobre os benefícios para esta população.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.