Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Gravataí TRIBUNAL DO JÚRI

Homem que matou policial civil em Gravataí é condenado a 80 anos de prisão

Além dele, outras quatro pessoas foram condenadas por tráfico de drogas, posse e porte ilegal de armas, receptação e organização criminosa

Por Da redação
Publicado em: 19.05.2022 às 13:11

O réu Maicon de Mello Rosa, 30 anos, foi condenado a 80 anos e cinco meses de prisão por homicídio duplamente qualificado, homicídio qualificado tentado, tráfico de drogas, posse e porte ilegal de armas, receptação e organização criminosa. Maicon foi o autor dos disparos que mataram o policial civil Rodrigo Wilsen da Silveira, 38, durante uma operação policial no bairro Passo das Pedras, em Gravataí, no dia 23 de junho de 2017.

O júri durou dois dias e se encerrou na madrugada desta quinta-feira (19). À reportagem, a defesa disse que considera a condenação excessiva e que irá recorrer. (Leia a nota na íntegra abaixo).

Júri durou dois dias e se encerrou na madrugada desta quinta-feira (19)
Júri durou dois dias e se encerrou na madrugada desta quinta-feira (19) Foto: Ministério Público/Divulgação
Além dele, outras quatro pessoas que estavam no condomínio alvo da operação naquela data foram condenadas pelo Conselho de Sentença do Tribunal do Júri por tráfico de drogas, posse e porte ilegal de armas, receptação e organização criminosa. As penas variam de 19 a 21 anos.

Todos os réus, incluindo Maicon, já estavam no sistema prisional e seguem presos, cumprindo pena definitiva em regime fechado.

O crime

De acordo com a denúncia do Ministério Público (MP) protocolada em 2017, a vítima e outros policiais civis cumpriam mandados de busca em um condomínio, no bairro Passos das Pedras, em Gravataí, quando foram surpreendidos pelos criminosos.

Conforme a investigação, Maicon disparou contra os agentes de dentro do quarto de um apartamento, e um dos tiros acertou a cabeça de Rodrigo. A esposa da vítima, também policial, participava da operação e retirou o marido do local já sem vida. Ela não sabia que estava grávida e acabou perdendo o bebê semanas depois. 

O tiroteio seguiu até que a mulher alvo da operação, agora condenada pelo Tribunal do Júri, saiu de seu quarto com o filho de três anos e se entregou à Polícia Civil. Foram apreendidos no condomínio armas, drogas e veículos, entre eles um roubado. 

Nota da defesa

"A defesa de Maicon de Mello Rosa, representada pela criminalista Emiliane Gauer, respeita o veredicto, mas considera que a condenação foi excessiva. Infelizmente, o clamor social decidiu mais uma sentença. É um dia triste para a justiça e para a correta aplicação da lei. A defesa vai recorrer em relação a aplicação da pena e a falta de provas para os crimes conexos."

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.