Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Mundo Polêmica

China censurou informação sobre vírus na internet por semanas

Dois aplicativos chineses também censuraram as críticas aos líderes chineses sobre a gestão da epidemia

Por AFP
Publicado em: 03.03.2020 às 18:19 Última atualização: 03.03.2020 às 18:24

China enfrenta o Coronavírus Foto: AFP
A China começou a censurar na internet qualquer referência ao novo coronavírus, que agora afeta mais de 70 países e territórios, semanas antes de reconhecer oficialmente a extensão da epidemia, segundo um estudo publicado nesta terça-feira (3) no Canadá.

O vírus apareceu em dezembro em Wuhan, uma cidade no centro da China cujos 11 milhões de habitantes foram colocados em quarentena desde o final de janeiro.

No entanto, a gravidade da epidemia foi reconhecida publicamente apenas em 20 de janeiro, quando o presidente Xi Jinping pediu para conter a propagação do vírus.

Entre o final de dezembro e meados de fevereiro, o Citizen Lab, um instituto especializado no controle de informações anexo à Universidade de Toronto, encontrou mais de 500 palavras-chave e frases bloqueadas na plataforma de vídeo YY e no popular aplicativo de mensagens WeChat.

Os dois aplicativos chineses também censuraram as críticas aos líderes chineses sobre a gestão da epidemia.

Mensagens contendo palavras-chave como "pneumonia", "controle e prevenção de doenças" ou "vírus" foram censuradas no WeChat em 14 de fevereiro, de acordo com testes realizados pelo Citizen Lab.

"Este é um caso único no qual o bloqueio de informações pode potencialmente prejudicar a saúde pública", limitando "a capacidade de os cidadãos serem informados e protegidos", disse à AFP Lotus Ruan, pesquisadora do Citizen Lab.

Alguns termos censurados se referiam a informações que mais tarde se tornaram oficiais, como o fato de o vírus ser contagioso entre os seres humanos.

Em nome da estabilidade, é comum na China que os gigantes da internet eliminem conteúdo considerado politicamente sensível ou indesejável, geralmente descrito como "rumores".

Os médicos de Wuhan que alertaram o vírus foram acusados pela polícia de espalhar boatos, como Li Wenliang, que morreu em decorrência do vírus no início de fevereiro e cuja morte causou indignação popular.

As críticas que se seguiram contra as autoridades da região de Wuhan, acusadas de abafar as infomações, provocaram a demissão de várias.

No início de fevereiro, o presidente chinês Xi Jinping pediu um controle ainda mais rígido das discussões on-line para garantir "energia positiva" e estabilidade no país.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.