Publicidade
Notícias | País No Maranhão

Tripulante de navio diagnosticado com variante indiana tem piora e é entubado

Homem de 54 anos está na UTI de um hospital particular de São Luís, no Maranhão

Publicado em: 22.05.2021 às 20:42 Última atualização: 22.05.2021 às 20:58

O Ministério da Saúde confirmou que o tripulante de um navio indiano, atracado a 50 quilômetros da costa de São Luís, no Maranhão, apresentou piora no quadro de Covid-19 e precisou ser entubado. O homem, de 54 anos, está internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital particular da capital maranhense, onde está desde o dia 14 de maio.

O tripulante, que é natural da Índia, foi detectado com a variante indiana do coronavírus, chamada de B.1.617. O navio em que ele estava navegava com 24 tripulantes no total. Desses, nove testaram negativo para Covid-19, mas os outros 15 apresentaram testes positivos para o vírus. Do total de infectados, seis foram confirmados com a cepa indiana.

Leia notícias sobre coronavírus

O navio onde os homens estavam é o MV Shandong da Zhi, que chegou ao litoral maranhense vindo da Malásia. A confirmação da nova cepa foi feita na sexta-feira.

Em coletiva de imprensa na tarde deste sábado (22), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que irá enviar, ainda neste domingo, 600 mil testes rápidos ao Maranhão, para que o Estado, especialmente, a capital São Luís, faça a testagem em massa da população. As pessoas testadas serão isoladas para ver se corresponde à variante indiana.

O MS fala do risco que é a transmissão comunitária, ou seja, quando não é mais possível rastrear a origem do contágio.

Flávio Dino, governador do Maranhão, em entrevista à Globo News, afirmou que o Ministério da Saúde tomou todas as decisões sem conversar com o governo do Estado. Entretanto, disse concordar com a decisão do Ministério.

"A surpresa se deu sobre essa nova conduta. Me pareceu uma certa improvisação, mas ela vai na direção certa. Temos que testar em massa, inclusive em todos os portos e aeroportos do País. O Maranhão pode testar nesses lugares, mas precisa de autorização federal", afirmou.

Dino afirmou ainda que todos os profissionais que estão cuidando do indiano têm recebido cuidados especiais. O tratamento é custeado pela empresa dona do navio, que, inclusive, fez o resgate de helicóptero em alto mar.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.