Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | País MERCADO FINANCEIRO

Fundo de hedge brasileiro enfrenta dificuldades, mas investidores focam no longo prazo

Entenda um pouco mais sobre o fundo de hedge brasileiro que perdeu 90% dos investimentos em cinco anos, após ter sido considerado uma boa oportunidade

Publicado em: 13.12.2021 às 16:59

Os fundos Adam Macro criados e geridos pelo brasileiro Marcio Appel, eram febre cinco anos atrás. Embora fundos de hedge, muitas vezes incluídos na categoria multimercado com outros gêneros de fundo, não tenham se tornado uma novidade naquela época, houve um rali dos investidores e de novos fundos.

Entenda um pouco mais sobre o fundo de hedge brasileiro que perdeu 90% dos investimentos em cinco anos, após ter sido considerado uma boa oportunidade
Entenda um pouco mais sobre o fundo de hedge brasileiro que perdeu 90% dos investimentos em cinco anos, após ter sido considerado uma boa oportunidade Foto: Internet

Todo o mundo está passando por momentos de desconfiança com relação à pandemia e questões econômicas e políticas. Com eleições no próximo ano, é claro que o Brasil não está muito diferente. Como resultado, até mesmo os melhores investidores do mundo têm sofrido para manter uma boa performance.

O histórico do Adam Macro

Diz-se que os dias de glória dos fundos de hedge em geral estão chegando ao fim. Esse tipo de ideia é comumente aplicado a praticamente toda opção de investimento por causa do movimento cíclico do mercado financeiro. Em algum momento, aquele investimento que parece excelente terá queda na sua performance, e esse é o caso dos fundos de hedge como o criado por Marcio Appel.

Criado em 2016, o fundo chegou a atingir 12,7 bilhões de reais no seu auge, em 2018, para ter menos de 10% disso, com 1,22 bilhões de reais após uma debandada severa dos investidores. Essa não é a realidade de todos os fundos de hedge, mas faz sentido que um fundo que gerou grande burburinho e expectativa seja o mais afetado em um momento de queda.

Em geral, os investidores buscam maior risco em fundos de hedge, mas isso também deturpa a expectativa. Com as quedas, o fundo brasileiro rendeu 58% depois de taxas, apenas 31% a mais que investimentos virtualmente sem risco. Seria possível ter tido uma performance muito melhor saindo no seu auge, mas isso é impossível de ser previsto.

Entendendo o risco

Até mesmo os melhores traders amargam derrotas com dias tão imprevisíveis como esses em todo o mundo. O fantasma da inflação, só para citar um dos fatores de “susto” do mercado, não está presente somente no Brasil. Em outras palavras, há investidores que investem aqui e no exterior com uma performance ruim comparada com anos atrás.

Exceto caso alguém tenha sido enganado, todo investidor deve entrar no mercado financeiro sabendo dos seus riscos e da volatilidade. Especialmente no caso dos fundos de hedge que, apesar do nome, representam um grande risco. Logo, a promessa de ganhos maiores possui uma menor probabilidade de se concretizar, e cabe a cada investidor definir se está disposto a correr esse risco.

A verdade sobre os fundos de hedge no Brasil e no mundo

Os fundos de hedge parecem estar passando por maus bocados, mas é certo que isso não define a sua performance futura. Na verdade, já há grande expectativa para outros fundos no mundo, como um que talvez comece já com 1 bilhão de dólares sob gestão. Então, a perspectiva de que os dias de glória dos fundos multimercado de hedge teriam sido deixados para trás não é verdade.

Nem mesmo é possível concluir isso especificamente a respeito dos fundos no Brasil, uma vez que as carteiras de investimento e os próprios investidores são globais. Portanto, muito do que se diz atualmente é alarde, e os mesmos portais que noticiam o viés negativo certamente virão a repetir o elogio a outros fundos no futuro, ou até mesmo ao Adam Macro.

Lições tiradas sobre investimentos de risco

Pode ser que alguns investidores, mais sortudos do que habilidosos, consigam de fato acertar o momento de entrada e saída às vezes. No entanto, todo investimento será cíclico, e mesmo os virtualmente sem risco se tornam um problema quando o retorno é baixo demais comparado aos demais.

O aumento da inflação e dos títulos de renda fixa poderão enganar alguns investidores novatos, que poderão pensar que estão indo pelo melhor caminho. Talvez a verdade seja que o momento de entrar num fundo de hedge seja agora, mas isso só cada investidor pode decidir.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.