Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | País RIO DE JANEIRO

Operação na favela do Jacarezinho dá início a projeto que substitui UPPs

Mais de mil policiais voltaram a ocupar a comunidade. Programa Cidade Integrada prevê investigações para desestruturar quadrilhas e patrulhamento para garantir segurança

Por Wilson Tosta/Estadão Conteúdo
Publicado em: 19.01.2022 às 13:21 Última atualização: 19.01.2022 às 13:21

Oito meses após a operação que resultou em 28 mortos no Jacarezinho, na zona norte do Rio de Janeiro, 1,2 mil policiais civis voltaram a ocupar a comunidade na manhã desta quarta-feira (19). O objetivo é iniciar o Cidade Integrada, mais um programa que prevê a ocupação policial e social de comunidades pobres no Estado. As Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), criadas em 2008, foram a tentativa mais famosa desse tipo de intervenção nas favelas do Rio de Janeiro.

Os agentes da Polícia Civil saíram da Cidade da Polícia, que fica ao lado da comunidade. Até o início da manhã, não havia registro de tiroteios nem de prisões. Em contraste, a ação do ano passado no Jacarezinho foi a mais letal da história do Rio. Dos mortos, 27 eram civis. Segundo a Polícia Civil, foram abatidos em tiroteios. Há, porém, investigações do Ministério Público sobre supostas execuções de pessoas já rendidas e desarmadas.

"Damos início a um grande processo de transformação das comunidades do Estado do Rio", escreveu o governador Cláudio Castro (PL) no Twitter. "Foram meses elaborando um programa que mude a vida da população levando dignidade e oportunidade. As operações de hoje são apenas o começo dessa mudança que vai muito além da segurança."

Castro prometeu que, no próximo sábado, detalhará os projetos. O governador, um ex-vice pouco conhecido, assumiu o cargo após o impeachment de Wilson Witzel (PSC) e agora tenta se cacifar à reeleição. Em maio, ele anunciou que reformularia o programa das UPPs. Depois de um início bem sucedido, o projeto, lançado no governo Sérgio Cabral (2007-2014), entrou em crise. Traficantes que tinham recuado dos territórios que dominavam voltaram a agir ostensivamente nas comunidades. Tiroteios e venda de drogas à luz do dia voltaram a ser rotina nesses bairros.

O Cidade Integrada prevê investigações da Polícia Civil para desestruturar as quadrilhas e patrulhamento das ruas das comunidades pela PM, para garantir a segurança. Também haverá, segundo o planejado, investimentos em obras e ações sociais.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.