Publicidade
Notícias | Região Balanço

Seis ocorrências de violência contra a mulher são registradas por dia em São Leopoldo

Com quase mil ocorrências registradas neste ano em São Leopoldo, a equipe da Delegacia da Mulher viu número cair 40% em março e abril. O isolamento social é visto como um dos motivos

Por Renata Strapazzon
Última atualização: 25.05.2020 às 08:05

Delegada Michele Arigony Foto: Divulgação
Em 143 dias, de 1º de janeiro a 22 de maio foram registradas em São Leopoldo 963 ocorrências de violência contra a mulher. Os números são de registros feitos na Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam), que funciona em horário comercial de segunda a sexta-feira e na Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA), aberta 24 horas, todos os dias da semana. Por dia, foram, em média, seis registros, principalmente de crimes de lesão, ameaça, injúria, vias de fato, perturbação e descumprimento de medida protetiva.

Nos meses de março e abril, durante o isolamento social imposto para evitar a proliferação do contágio pelo coronavírus, houve uma redução de cerca de 40% no registro deste tipo de ocorrência em comparação a janeiro e fevereiro deste ano. O dado, no entanto, não significa que a violência contra as mulheres tenha diminuído na cidade. De acordo com a titular da Deam, a delegada Michele Arigony, o que pode ter ocorrido, neste período, é a subnotificação dos casos.

“Esta, inclusive, é uma preocupação nossa. As pessoas intensificaram a convivência dentro de casa, não saindo devido a orientação de isolamento e, por conta disso, algumas mulheres acabaram não fazendo registro. Por isso, ampliou-se a possibilidade de se fazer o registro de casos de violência doméstica e familiar de forma on-line, o que antes não era permitido e que foi um grande avanço”, opina a delegada. “Além disso, pode ser feita denúncia pelo disque 180 ou pelo What’s 98.444.0606”, frisa a delegada.

“Estas são facilidades que a Polícia Civil e a rede de proteção implementaram nesse período de pandemia justamente porque os registros não estavam sendo feitos e a preocupação é de que as agressões estejam ainda aumentando. Talvez crimes que sejam leves podem estar se agravando em razão dessa convivência forçada da vítima e do agressor nesse momento”, destaca Michele.

 Feminicídios

Em 2020, até agora, segundo a delegada Michele, São Leopoldo registrou dois feminicídios, ambos já esclarecidos e com envolvidos presos. O primeiro deles aconteceu no dia 29 de janeiro. A vítima, Kerolayn Haag Sanches, de 24 anos, foi atingida por três disparos em sua residência na Rua João Koche, no bairro Santos Dumont. Além disso, um homem de 32 anos, compadre dela, também foi baleado no peito, abdômen e rosto. O acusado do crime, um homem de 33 anos, companheiro de Kerolayn foi preso dois dias depois, após se apresentar na Delegacia de Polícia e entregar a arma usada no crime. À delegada, o homem admitiu o crime, dizendo ter agido por ciúmes e por impulso. Ele segue preso.

O segundo crime foi registrado no dia 10 de fevereiro. A vítima, Aline Franciele Costa, de 34 anos, foi morta com tiros na cabeça e no pescoço na Rua Paquistão, na Vila União, bairro Scharlau. Segundo a Polícia, ela estava na casa de uma amiga próximo dali quando recebeu uma ligação e foi a pé até o local onde foi alvejada e acabou falecendo. O atirador, segundo testemunhas, fugiu a pé para o interior da vila. Ele ainda não foi capturado. O homem apontado como mandante do crime, ex-namorado de Aline, foi capturado no dia 4 de maio, na cidade de Araranguá, em Santa Catarina. Na data do crime, ele cumpria pena após descumprimento de medida protetiva conseguida pela vítima. De acordo com a investigação, mesmo encarcerado, o homem seguia ameaçando Aline de morte por não aceitar o término da relação. Ele havia sido posto em liberdade no dia 5 de março.

 Além dos envolvidos nos feminicídios, segundo a delegada, a Deam já prendeu, neste ano, outros sete investigados por crimes de violência doméstica ou familiar registrados na cidade.

Como registrar ocorrência ou fazer uma denúncia

Pelo site da Delegacia On-line no www.delegaciaonline.rs.gov.br/dol

Pelo Disque 180

Pelo WhatsApp 98.444.0606

Na Delegacia:

Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam): Rua São Paulo, 970, Centro, com funcionamento de segunda a sexta-feira, das 8h30 às 11h30 e das 13h30 às 17h30.

Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento - DPPA: Rua João Alberto, 96, Fião. Atendimento 24 horas

Em caso de emergência a mulher deve ligar para o 190, da Brigada Militar. A Patrulha Maria da Penha segue com o acompanhamento das mulheres com medida protetiva, sendo realizadas, em média, 140 fiscalizações por mês.

Campanha arrecadou alimentos para vítimas

Entrega de alimentos da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher - Deam de São Leopoldo Foto: Divulgação
Mulheres vítimas de violência doméstica e famílias carentes de São Leopoldo receberam na semana passada alimentos arrecadados pela Polícia Civil durante campanha idealizada pela Deam e que integrou todas as delegacias da cidade. As cestas básicas e produtos de limpeza a de higiene foram distribuídas nos bairros Santos Dumont, Feitoria, Santa Marta, Scharlau, Vicentina e Rio dos Sinos por agentes da Deam acompanhados da titular da especializada, a delegada Michele Arigony.

No início da campanha de arrecadação, no final do mês passado, o diretor da 3ª Delegacia Regional de Polícia Metropolitana (DPRM), delegado Eduardo Hartz, havia informado que o foco da ação era ajudar as mulheres e suas famílias a se manterem distantes dos agressores e diminuir a dependência financeira que, muitas vezes, as vinculam a relacionamentos agressivo. 

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.