Publicidade
Notícias | Região Pandemia

Por que a região 8, onde estão Esteio e Sapucaia do Sul, ainda não tem 'A'

Bloco de São Leopoldo e Portão já recebeu dois Avisos do sistema "3As" de monitoramento da pandemia

Por Jean Peixoto
Publicado em: 08.06.2021 às 03:00 Última atualização: 08.06.2021 às 08:10

Novo sistema 3As Foto: Felipe Dalla Valle/Palácio Piratini
Enquanto a região Covid 7 (Novo Hamburgo), que abrange São Leopoldo e Portão, recebeu o segundo Aviso do Sistema 3As (Aviso, Alerta e Ação) de monitoramento da pandemia do governo do Estado, no dia 2, a região 8 (Canoas), que incorpora Sapucaia do Sul, Esteio e Capela de Santana, é o único dos 21 blocos intermunicipais de todo o Rio Grande do Sul que ainda não foi notificado com nenhum "A".

Falsa calmaria

Apesar do cenário aparentemente favorável, alguns indicadores da pandemia na R08 são piores que aqueles registrados na R07 ou mesmo na R10, de Porto Alegre. Na tarde de sábado, por exemplo, a taxa de ocupação em leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Adulto da R08 era de 80,7%, enquanto na R07, o percentual de UTIs ocupadas era de 68,8%. Na R10, de Porto Alegre, a taxa de ocupação das UTIs também era inferior à Canoas, com 73,4% de utilização. Já entre os leitos clínicos, a R08 registrava 33,1% de ocupação enquanto a R07 tinha 51,7% e a R10 tinha 33,4% de vagas de enfermaria em uso. Já na macrorregião Metropolitana, que abrange os três blocos, a taxa de ocupação consolidada entre os leitos de UTI é de 74% e entre os leitos clínicos é de 35,5%.

O infectologista e professor da Unisinos, Marcelo Bitelo, comenta que, embora a região metropolitana tenha menos casos que o interior do Estado, não há como responder se a estabilização aparente está relacionada à vacinação ou se ainda é reflexo do período de restrições após a piora de março. Ele reitera que o processo de imunização só se dá após a aplicação das duas doses da vacina e reforça a importância de manter os cuidados sanitários.

"No RS, atualmente, temos em torno de 15% da população imunizada. Então, os índices de casos podem aumentar caso a população não respeite as medidas se prevenção/distanciamento social", destaca. Ele acrescenta que a vacinação em massa é a principal estratégia para impedir a elevação dos casos, associada à testagem e às medidas de distanciamento social.

Mais leitos

Um fator que precisa ser observado ao comparar os dados da região de Canoas e Novo Hamburgo refere-se às quantidades de leitos disponíveis em cada uma delas. Assim como a taxa de ocupação de UTIs na região 8 é mais elevada que na região 7, o volume total de leitos também é superior. Enquanto Canoas tem 260 leitos de UTI Adulto, sendo destes, 13 privados e 247 custeados pelo SUS, Novo Hamburgo dispõe de 201 leitos de UTI Adulto, com 76 privados e 125 pelo SUS.

Na pandemia, o Hospital Municipal Getúlio Vargas (HMGV), de Sapucaia do Sul, aumentou os leitos de UTI em 314% e os leitos clínicos em 256%. Já o São Camilo, de Esteio, ampliou suas UTIs em 800% e os leitos clínicos em 56%. Com a redução dos números de internações, 17 leitos clínicos já puderam ser desativados da área Covid esteiense. Ambos têm seus leitos regulados pelo governo do Estado, o que faz com que as vagas sejam ocupadas por moradores de outras cidades.

Oscilação

A região de Canoas tem seus leitos divididos entre 12 hospitais assim como a região de Novo Hamburgo. No entanto, a R08 tem 489 leitos clínicos (fora de UTI), e na R07, 307. Nos últimos 15 dias, a taxa de ocupação entre os leitos do SUS na região 8 oscilou para mais, subindo de 59,5% em 23 de maio e alcançando o maior volume do mês na sexta-feira, quando chegou a 80,2%. Já na região 7, a oscilação da ocupação no período foi mais suave: de 61,6% para 73,6% no mesmo período.

Estratégia focada na testagem e vacinação

Dos 26 leitos de UTI Adulto disponíveis em Esteio, sendo destes, 18 reservados a pacientes infectados pelo coronavírus, havia 18 em uso no sábado, o que representa taxa de ocupação de 69,2%. Nos últimos 15 dias, a taxa de ocupação oscilou para mais, iniciando em 46,2% em 23 de maio e chegando a 73,1% na última sexta-feira. Já o número de novos casos diários vem diminuindo nas últimas semanas. Em 3 de março, o município bateu o recorde de novos casos durante toda a pandemia, com a confirmação de 168 casos em um dia.

Já na última semana, a média de confirmações ficou entre 15 a 20 casos diários. A secretária de Saúde de Esteio, Ana Boll, comenta que uma das principais estratégias do município para o controle da pandemia é a testagem, seguida da vacinação. “No início testávamos mais centralizadamente testando na Secretaria, mas hoje testamos em todas as unidades de saúde. Estamos fazendo um grande esforço para ir além dos grupos prioritários. Estamos avançando para os 55 anos e o que é mais importante, não interrompemos o ciclo de vacinação”, frisa.

Até o sábado, Esteio havia realizado 35.775 testes e imunizado 9.597 pessoas com as duas doses da vacina, o que representa 11,8% da população. Ana destaca, também, as ações integradas das secretarias de Saúde, Segurança e Desenvolvimento Econômico para a fiscalização do cumprimento dos protocolos sanitários nas ruas e estabelecimentos comerciais do município. “Não afrouxamos os protocolos. Seguimos com as vistorias no comércio, evitando que as pessoas que frequentam os setores econômicos não deixem de usar máscara e álcool gel.” Ela também cita a vacinação de professores antes da retomada das aulas como importante estratégia de controle da disseminação do coronavírus.

Casos e óbitos

Até o sábado, a R08 tinha 80.170 casos de Covid-19 confirmados e 2.663 óbitos decorrentes da doença, o que representa uma incidência acumulada de 10.293,5 casos por 100 mil habitantes. A taxa de mortalidade do bloco é de 341,9 por 100 mil habitantes e apenas 11,6% da população está vacinada. Na R07, há 88.579 casos confirmados, o que configura uma incidência de 10.673,4 por 100 mil habitantes. Com relação às mortes, a região 7 soma 2.428 óbitos, o que representa uma taxa de 292,6 por 100 mil habitantes.

Somente 10,8% da população do bloco está vacinada. Já na R10, há 185.887 casos confirmados, com uma incidência de 7.845,9 por 100 mil habitantes. A região de Porto Alegre também soma 7.355 mortes decorrentes do coronavírus, com uma taxa de mortalidade de 310,4 por 100 mil habitantes. A região, que recebeu o último alerta em 22 de maio, tem 16,1% da população vacinada.

Amvars mantém protocolos da R07

Durante a reunião realizada na sexta-feira entre os prefeitos que integram a região 7 ficou decido que os protocolos vigentes serão mantidos. No encontro, que foi conduzido pela Associação dos Municípios do Vale do Rio do Sinos (Amvars) e coordenado pelo presidente Luciano Orsi, prefeito de Campo Bom, os gestores debateram os índices que demonstram alta ocupação de leitos de UTI, bem como tendência de elevação no número de contaminados na região.

“Embora estáveis em algumas cidades, os índices estão altos e exigem cautela”, destaca Orsi, lembrando que a R07 recebeu pela segunda vez em duas semanas o “Aviso” do Estado. Na reunião, os prefeitos concordaram em centralizar os esforços nos processos de vacinação como melhor alternativa de conter a alta dos indicadores. Também haverá manifestação da Amvars para a rede privada de hospitais solicitando que esta mantenha a disponibilidade de leitos de UTI no índice mais alto possível, colaborando assim para melhorar um dos indicadores (de ocupação de leitos) que compõem os critérios de avaliação da pandemia na região. Na próxima semana, o grupo volta a se reunir para avaliações do período.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.