Publicidade
Notícias | Região Prejuízos

Prejuízo e dor de cabeça para quem tem hidrômetro furtado

Além de ficar sem água, usuários precisam arcar com preço de substituição. Registrar ocorrência é essencial

Por Joceline Silveira
Publicado em: 25.06.2021 às 03:00

Furtos de hidrômetros têm prejudicado a rotina de donos de estabelecimentos e moradores da região. De acordo com a Comusa - Serviços de Água e Esgoto, já foram constatados 130 furtos de aparelho em Novo Hamburgo de janeiro a junho de 2021.

Usuário decidiu investir em grade e cadeado para proteger o equipamento e evitar problema Foto: Joceline Silveira/GES-especial

Um dos casos aconteceu em uma empresa de serviços de engenharia, no bairro Liberdade. Foi na madrugada do dia 13 deste mês que levaram o aparelho. A empresa precisou pagar por um equipamento novo e ainda ficou quase três dias sem água.

O empresário Marcelo Melo conta que fez o boletim de ocorrência e foi buscar auxílio na Comusa. "A taxa para o novo hidrômetro é de 80 reais. Nós tivemos que gastar com toda a estrutura, eles [Comusa] vieram e fizeram a ligação, colocaram o hidrômetro, mas foi complicado porque a água foi voltar dias depois", contou.

Prejuízos

O mesmo problema também ocorreu na Rua Miami, bairro Santo Afonso. Uma das vítimas que arcou com o prejuízo do furto de hidrômetro foi o aposentado Jorge Dieter.

Em uma noite, ele conta que chegou a ouvir um barulho em frente à sua residência. No dia seguinte, teve a surpresa desagradável. "É um transtorno gigante para quem tem o aparelho furtado. Aqui na rua pelo menos mais dois furtos foram registrados recentemente", comentou.

Precavido, o morador fixou uma grade de proteção ao redor do seu hidrômetro. "Fiz os cálculos e saía mais barato colocar ele dentro desta grade na calçada. Foi a minha sorte, pois todos os meus vizinhos ficaram sem água até para o banho", revela.

Dificuldade

Moradores entrevistados pela reportagem revelaram que furtos diversos acontecem com frequência na região. Eles pedem que haja mais fiscalização por parte da polícia e da Guarda Municipal no local.

De acordo com a Superintendência Regional do Sinos, que abrange 28 municípios atendidos pela Corsan, a incidência do crime é de um furto de hidrômetro por cidade ao mês.

De acordo com a Corsan, no passado o hidrômetro era feito de bronze e tinha valor de venda no mercado clandestino. Hoje a situação é bem diferente.

"É um metal, um latão e a parte interna, da relojoaria, não serve para nada, talvez para desmanchar", informa a empresa em nota enviada à reportagem.

"Investigações indicam que o furto serviria para conseguir a carcaça e transformar em panela ou chaleira. Se esse material está sendo vendido a ferros-velhos o receptador pode ser punido", completa o comunicado enviado pela Corsan.

 

O que fazer se você passar por essa situação

A Corsan orienta, em caso de furto de hidrômetro, que o usuário deve realizar ocorrência policial e informar imediatamente a unidade local da Corsan. Com isso, o morador evita a multa pela retirada do medidor sem a presença da companhia. Mas de acordo com a Corsan, "o valor do aparelho deverá ser ressarcido pelo usuário, pois o equipamento fica sob sua responsabilidade". O cliente pode entrar em contato pelo telefone 0800-646-6444.

Em Novo Hamburgo, quem passou pelo imprevisto deve fazer o boletim de ocorrência na Polícia. Também deve entrar em contato com o 0800-600-0115 e comunicar o furto para que seja feita a substituição. De acordo com a Comusa, o valor da substituição será cobrado na fatura do mês seguinte.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.