Publicidade
Notícias | Região Segurança

R$ 30 mil gastos por mês para reparar danos provocados por furtos em São Leopoldo

Valores pagos pela Prefeitura servem para resolver problemas provocados pelos criminosos na cidade

Por Renata Strapazzon
Publicado em: 01.07.2021 às 03:00 Última atualização: 01.07.2021 às 08:18

Um bueiro sem tampa num bairro, um semáforo desligado em outro. Uma rua às escuras em um terceiro. Estas são algumas das situações verificadas em São Leopoldo e que, provavelmente, são fruto de furtos realizados na cidade. De acordo com o diretor de Iluminação Pública, da Secretaria de Mobilidade e Serviços Urbanos (Semurb), Jiovane Veiga Pinto, por mês o Município gasta mais de R$ 30 mil para reparar danos provocados por este tipo de situação. Os valores servem para resolver problemas provocados pelo furto de cabos elétricos, luminárias, refletores e tampas de ferro, em todo o Município.

Dois homens foram presos pela GCM após furto de cabos na Avenida Mauá Foto: GCM/Especial

"O prejuízo que temos é grande. Somos prejudicados no desenvolvimento do trânsito e na segurança dos pedestres. O investimento que poderia ser feito em avanços na cidade, será utilizado para repor estes furtos", destaca. Segundo ele, para cada registro de furto, é feito um detalhado boletim de ocorrência. "O objetivo, mais do que uma resposta imediata das autoridades, é municiar as forças de segurança de dados que facilitam investigações", diz. Na semana passada, uma dessas ocorrências registradas relatou o furto de cabos do sistema semafórico na Avenida Mauá com a Avenida Imperatriz Leopoldina. Foi a quarta vez que o sistema no local foi alvo de criminosos.

"Mantemos contatos com as forças policiais e Guarda Municipal, registrando as ocorrências e as equipes que se deparam com situações suspeitas devem imediatamente comunicar a chefia e órgão de segurança pública", frisa Jiovane. Na madrugada de ontem (30), agentes que trabalham no setor de videomonitoramento da GCM flagraram um novo furto, realizado na esquina das avenidas Mauá e Imperatriz Leopoldina. Dois homens foram presos em flagrante, no momento em que retiravam cabos de cobre de um poste. Com eles, os guardas apreenderam aproximadamente 40 metros de cabos, possivelmente removidos de postes na região. A dupla recebeu voz de prisão e foi apresentada, junto do material apreendido, na Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA) para registro da ocorrência.

Pena elevada

Titular da 2ª Delegacia de Polícia de São Leopoldo, o delegado Rodrigo Zucco explica que a pena para o furto qualificado nestes casos onde há subtração de fiações, principalmente envolvendo concessionárias como RGE e empresas de telefonia, é de um a cinco anos de reclusão.

“Normalmente quem está por trás destes furtos são usuários de drogas, que vendem os cabos a preços de bagatela para sustentar o vício. Após o furto, estes fios são queimados para a retirada do plástico, e, em seguida acaba sendo vendido o metal do interior deles”, explica.

“Este material normalmente é revendido em desmanches e locais que comercializam metais. A pena para quem for pego receptando estes objetos, que são considerados como se fossem patrimônio público, é de três a oito anos de reclusão, uma pena bem elevada”, destaca o delegado.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.