Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Região EM NOTA

'Isso é uma atitude contra o Brasil', diz Prefeitura de Novo Hamburgo em resposta à ação antivacina

Prefeito em exercício, Márcio Lüders, emitiu nota sobre vacinação contra coronavírus. Carros de som foram flagrados divulgando informações contra a imunização de crianças

Publicado em: 26.01.2022 às 13:10 Última atualização: 26.01.2022 às 15:10

No fim da manhã desta quarta-feira (26), a Prefeitura de Novo Hamburgo se manifestou sobre os casos de mensagens antivacinas. Em nota, o prefeito em exercício, Márcio Lüders, destaca o efeito da imunização nos moradores e diz, "Não se justifica mensagens antivacina e contra a ciência que estão circulando na região. Isso é uma atitude contra o Brasil”.

O Jornal NH teve acesso a vídeos que flagraram dois carros de som que transitavam pelas ruas da área central da cidade e nos bairros Liberdade e Rondônia com abordagem antivacina. Através de uma narração divulgada por alto-falantes contrariavam a ciência e recomendava que pais não vacinassem os filhos. A gravação chamava de "experimental" a imunização contra a Covid-19.

Carros de som passam por bairros de Novo Hamburgo com mensagem anti-vacina
Carros de som passam por bairros de Novo Hamburgo com mensagem anti-vacina Foto: Divulgação

“Nesta manhã, no primeiro dia da ampliação da vacinação de crianças, agendei a imunização da minha filha Rafaela, de 11 anos. Estou comprometido com o cuidado dela e a vacinação é fundamental. Aproveito para fazer chamamento a todos para que se vacinem. Não se justifica mensagens antivacina e contra a ciência que estão circulando na região. Isso é uma atitude contra o Brasil”, enfatiza o prefeito.

Para o cientista Fernando Spilki, "É lamentável, justamente quando nós temos a vacina para tentar diminuir esse prejuízo terrível à saúde das crianças, tenham pessoas organizadas para divulgar esse tipo de mensagem criminosa". A Prefeitura de Novo Hamburgo já confirmou que os casos são investigados.

Leia a nota na íntegra

Novo Hamburgo defende vacina e avança na imunização

O prefeito em exercício de Novo Hamburgo, Márcio Lüders, destaca a adesão da população hamburguense à vacinação contra a Covid-19. Até o final da tarde desta terça-feira (25), Novo Hamburgo já havia aplicado 425.939 doses de imunizantes contra o coronavírus. “Nesta manhã, no primeiro dia da ampliação da vacinação de crianças, agendei a imunização da minha filha Rafaela, de 11 anos. Estou comprometido com o cuidado dela e a vacinação é fundamental. Aproveito para fazer chamamento a todos para que se vacinem. Não se justifica mensagens antivacina e contra a ciência que estão circulando na região. Isso é uma atitude contra o Brasil”, enfatiza o prefeito.

Para o secretário municipal de Saúde, Naasom Luciano, já está mais que provado que a vacinação é a grande responsável pela queda no número de óbitos e internações. “Contra a ciência não há argumentos. A verdade é que, na medida que a vacinação vai avançando, observa-se queda no número de mortes e internações”, destaca. Naasom lamenta que mensagens antivacina circulem pela região, justamente no momento tão importante que é a ampliação da proteção das crianças. “As vacinas já se mostraram seguras. Quem ama protege e vacina”, destaca.

Das 425.939 doses aplicadas em Novo Hamburgo até o final da tarde desta terça-feira, 196.657 foram de primeiras doses e 172.805 de segundas doses, além de 62.266 de terceiras doses (há 5.789 doses únicas que aparecem duas vezes, na primeira e segunda dose). Em relação à população completa de Novo Hamburgo, estimada pelo IBGE em 247.303 pessoas, 79,52% receberam a primeira dose e 70% foram imunizados também com a segunda dose. Já o percentual de pessoas que receberam a terceira dose (dose de reforço) chega a 25,2%. Observa-se uma forte adesão na dose de reforço (terceira dose) da comunidade.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.