Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Região PREOCUPANTE

Região em alerta contra o mosquito transmissor da dengue

Ações de combate ao Aedes aegypti estão sendo feitas em São Leopoldo, Sapucaia do Sul e Esteio. As três cidades já somam 103 casos confirmados de dengue

Por Renata Strapazzon
Publicado em: 03.04.2022 às 13:27 Última atualização: 03.04.2022 às 13:27

Areia nos vasinhos de flores, vasilhas viradas para baixo no pátio e repelente pelo corpo. Assim, a dona de casa Andréia Araújo, 39 anos, quer se manter longe da dengue. Moradora do bairro Primor, em Sapucaia do Sul, Andréia diz temer a doença, transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. “Uma vizinha estava com suspeita de dengue recentemente e fiquei em pânico. Faço o que está ao meu alcance para me proteger, ainda mais que em casa tem aparecido muito mosquito”, conta.

Mutirão para eliminação dos focos de mosquito foi realizado sábado em Sapucaia
Mutirão para eliminação dos focos de mosquito foi realizado sábado em Sapucaia Foto: Divulgação/PMSS

O bairro onde Andréia mora foi um dos visitados sábado (2) pelo mutirão para eliminação dos focos de mosquito realizado pela Secretaria Municipal de Saúde, por meio da Vigilância Ambiental. A ação, contou ainda com o apoio das secretarias de Obras e de Meio Ambiente, Guarda Municipal, Defesa Civil e 18º Batalhão de Infantaria Motorizado (18° BIMTz). Ao todo, 26 ruas nos bairros, Primor, Centro, Capão da Cruz e Paraiso, que são os locais onde foram detectados casos da doença no município, foram visitadas durante o mutirão. Segundo a assessoria de imprensa da prefeitura, até a última sexta-feira (1º) haviam sido notificados, neste ano, na cidade 71 casos de dengue, sendo confirmados 15.

Além de Sapucaia, também Esteio e São Leopoldo, cidades que somam quatro e 84 casos confirmados respectivamente, têm focado no trabalho preventivo, única forma de proteção, já que contra a dengue não há vacina. Em Esteio, os agentes de combate a endemias da Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal da Saúde seguem o trabalho de visitas a residências e estabelecimentos como indústrias, oficinas mecânicas, borracharias, escolas e terrenos baldios para tentar identificar focos do mosquito. As visitas de casa em casa ocorrem, prioritariamente, em imóveis identificados como de altíssimo e alto risco segundo os dados do Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa).

Em São Leopoldo, a força-tarefa formada pela Prefeitura tem visitado diferentes localidades orientando a população sobre os cuidados necessários e informando a respeito da aplicação de inseticida. Na semana passada, foram visitados os bairros Santa Marta, Tancredo Neves, Feitoria e Santos André. Nesta segunda-feira (4), devido a previsão de chuva, não haverá agenda da força-tarefa. Já na terça (5), deverão ser visitados os bairros Rio Branco, Santa Teresa, Santo André e Feitoria.

 

Transmissor de três doenças

Além da dengue, o mosquito Aedes aegypti é transmissor, também, da chikungunya e do zika vírus. Para sua reprodução, o Aedes precisa apenas de locais com água parada. Em 45 dias, um único mosquito pode contaminar até 300 pessoas. O ovo do mosquito pode sobreviver até 450 dias, mesmo se o local onde foi depositado estiver seco. Se a área receber água novamente, o ovo ficará ativo e poderá atingir a fase adulta em poucos dias. Por isso, após eliminar a água parada, é importante lavar os recipientes com água e sabão.

Cuidados

 Dentro das casas e apartamentos

- Tampe os tonéis e caixas d’água;
- Mantenha as calhas sempre limpas;
- Deixe garrafas sempre viradas com a boca para baixo;
- Mantenha lixeiras bem tampadas;
- Deixe ralos limpos e com aplicação de tela;
- Limpe semanalmente ou preencha pratos de vasos de plantas com areia;
- Limpe com escova ou bucha os potes de água para animais.

Área externa de casas e condomínios

- Cubra e realize manutenção periódica de áreas de piscinas;
- A água da piscina deve ser tratada o ano inteiro;
- Limpe ralos e canaletas externas;
- Atenção com bromélias, babosas e outras plantas que podem acumular água;
- Deixe lonas bem esticadas, para evitar formação de poças d’água;
- Guarde os pneus em local coberto ou fure-os para que não acumulem água;
- Não deixe água da chuva acumulada em qualquer lugar.



Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.