Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Região INVESTIGAÇÃO

Polícia suspeita que ex-presidiário foi contratado para matar professora em Lindolfo Collor

Educadora aposentada, que não tinha inimigos e levava vida tranquila, teria sido executada por motivo financeiro

Por Silvio Milani
Publicado em: 18.05.2022 às 11:17 Última atualização: 18.05.2022 às 11:17

A investigação sobre a morte da professora aposentada Maria Soli Schneider, 61 anos, aponta que um ex-presidiário de Novo Hamburgo foi contratado para a execução na casa da vítima, em Lindolfo Collor, na tarde de 30 de dezembro do ano passado. A Polícia Civil tem um suspeito. O motivo do homicídio seria financeiro. Quem planejou pretendia alguma vantagem ainda não esclarecida. A educadora não tinha inimigos, levava uma vida tranquila e era admirada na comunidade.

Maria Soli Schneider, de 61 anos, foi morta a tiros no interior de Lindolfo Collor
Maria Soli Schneider, de 61 anos, foi morta a tiros no interior de Lindolfo Collor Foto: Reprodução
Mesmo que tenha convicção em relação ao matador, a Polícia tenta aprofundar provas contra ele. Hamburguense do bairro Roselândia, o investigado foi ouvido em janeiro na Delegacia de Polícia de Ivoti, responsável pelo inquérito, e se comportou de forma despreocupada. Admitiu somente o que não tinha como negar. Confirmou que é dele o Gol branco flagrado por câmeras nas imediações da casa da vítima na hora do crime. Mais que isso não fala. “É um bandido experiente, que não se importa de puxar cadeia”, relata uma testemunha.

Desafios da investigação

Como havia dois homens no Gol usado no homicídio, a Polícia tem ainda o desafio de descobrir quem seria o comparsa do ex-presidiário. O crucial na investigação, porém, é encontrar elos entre o executor e a possível pessoa contratante.

Maria Soli tinha imóveis no Vale do Sinos, entre eles prédios alugados em Ivoti. Morava sozinha, era solteira e não tinha filhos. O delegado Felipe Borba, que coordena a investigação, diz que não pode falar sobre o caso em razão do sigilo do inquérito, que tramita em segredo de Justiça.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.